Governo vê medida provisória como solução para a dívida de hidrelétricas


Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O governo federal mudou de estratégia para solucionar a dívida de R$ 7 bilhões no mercado de curto prazo de energia. Antes, contava com a aprovação pelos deputados do PL (projeto de lei) 10.985/18 – que já teve aval dos senadores. O projeto chegou a ser pautado quatro vezes pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), neste ano, mas nunca foi apreciado.

Considerada a prioridade número 1 pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, a solução para o problema do GSF (sigla em inglês para o risco hidrológico) conta agora com uma nova estratégia legal: a aprovação do relatório da MP (medida provisória) 855, previsto para ser votado na comissão mista especial no Congresso Nacional nesta terça (2).

Com o arrefecimento das relações entre o presidente da Câmara e o presidente da República, Jair Bolsonaro, o MME preferiu contar com uma outra estratégia para a resolução do impasse no setor elétrico, que não dependesse diretamente da boa vontade de Rodrigo Maia, na visão dos articuladores das políticas federais.

Vale até 23 de abril
A MP 855, que tramita em comissão mista, terá seu relatório apresentado hoje (2), pelo deputado Édio Lopes (PR-RR). Foram apresentadas 40 emendas parlamentares à medida provisória.

A principal delas, proposta pelo deputado Arnaldo Jardim – eleito pelo estado de São Paulo pelo antigo partido PPS, agora renomeado Cidadania – prevê a prorrogação das concessões das hidrelétricas com dívidas do GSF por até por sete anos, como bônus pela falta de água nos reservatórios para produzir energia.

A MP 855 foi editada na legislatura passada, em 14 de novembro de 2018, para garantir recursos de fundos setoriais às distribuidoras da Eletrobras, que estavam em processo de privatização – em especial a Amazonas Energia. Todas as seis subsidiárias de distribuição da Eletrobras foram vendidas.

Leia também:  Câmara pauta projeto que mantém subsídios à luz e ignora risco hidrológico

A medida provisória tem validade até 23 de abril próximo. Nesta data, se não tiver sido aprovada nem pelo plenário da Câmara nem pelo Senado, perderá a validade.

Similar à MP 814
Caso parecido ocorreu com a medida provisória 814, de 2018. A MP 814 também previa originalmente recursos para as distribuidoras da Eletrobras, que na época estavam em processo de privatização, e teve seu relatório elaborado na comissão especial pelo deputado Julio Lopes (PP-RJ), que não foi reeleito.

O texto de Lopes acatou várias emendas parlamentares, mas no fim não foi aprovado nem pela Câmara nem pelo Senado, e perdeu a sua validade em 1º de junho de 2018.

A MP 855 determina que as distribuidoras da Eletrobras, em especial a Amazonas Energia, recebam até R$ 3 bilhões para cobrir despesas com combustível comprado junto à Petrobras usado na geração de energia elétrica  – entre 1º de julho de 2017 até a data da transferência do controle acionário para o novo operador.

O dinheiro, oriundo de fundos do setor energético, de acordo com as regras, seria repassado em 60 parcelas para o concessionário que arrematasse as distribuidoras.

A MP estabeleceu carência de cinco anos para a nova concessionária cumprir requisitos de eficiência econômica e energética estabelecidos pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). A MP aborda ainda a permissão para troca de contrato entre termelétricas de um mesmo proprietário e o custo de transporte em gasodutos.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.