Governo remarca leilão da Amazonas Energia para 25 de outubro

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O governo já escolheu uma nova data para o leilão da distribuidora Amazonas Energia: no dia 25 de outubro, prazo suficiente para a aprovação pelo Senado do projeto de lei que viabiliza financeiramente a empresa (PLC 77/18). Segundo apurou a Agência iNFRA, a nova data deverá ser oficializada nesta quarta-feira (19).

O projeto está pautado para análise no dia 9 de outubro – data do retorno dos trabalhos legislativos, logo após o primeiro turno das eleições. O PL é o primeiro item de votação no plenário da Casa. Por tramitar em regime de urgência, ele tranca o resto da pauta.

Com emendas, PL volta à Câmara
Há um risco, no entanto: se os senadores modificarem o projeto que foi aprovado pela Câmara antes do recesso, a matéria terá que retornar para nova avaliação dos deputados, o que poderá comprometer o apertado cronograma do governo.

Transferência do controle em 65 dias
Com o leilão programado para o dia 25 de outubro, o governo e a Eletrobras terão um prazo de 65 dias para fazer a transferência do ativo ao novo concessionário, em caso de sucesso da licitação.

No dia 31 de dezembro de 2018 termina o regime de designação da Amazonas Energia junto à Eletrobras. Depois disso, se a empresa não tiver um novo controlador, a sua liquidação poderá ser determinada pelos acionistas da estatal.

Segundo uma fonte que participa do processo, o ideal seriam 90 dias para os trâmites burocráticos: o comprador deve ser habilitado pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), e a operação deve ser aprovada pelos órgãos competentes neste período, inclusive o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Segundo essa fonte, o prazo é apertado, mas a Eletrobras conseguiu fazer a transferência do controle da Celg em 72 dias, e pretende fazer o da Cepisa em 65 dias. Caso seja necessário negociar uma pequena extensão do prazo de designação junto aos acionistas, não haverá problema se o leilão já tiver ocorrido e a venda para um novo investidor tiver sido feita, afirma.

Leia também:  Energia elétrica subiu 230% em 18 anos, enquanto inflação foi de 189%, diz ANEEL

“O problema maior é se não vendermos ou não tivermos um leilão até o dia 31 de dezembro, pois nesse caso a empresa deve ser liquidada a partir de 1º de janeiro de 2019”.

O obstáculo: senador Eduardo Braga
O senador Eduardo Braga (MDB-AM), que faz uma forte oposição à venda da Amazonas, disse em entrevista à Agência iNFRA (publicada no dia 6 de setembro) que está empenhado em aprovar no plenário as emendas que ele apresentou ao projeto na Comissão de Infraestrutura.

“Se o Senado aprovar essas emendas, o projeto volta para a Câmara. E aí eu não acredito que esse governo privatize a Amazonas Energia”, disse Braga à iNFRA.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.