Governo estuda declarar a caducidade da concessão do linhão de Roraima e fazer novo leilão

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

O governo federal analisa declarar a caducidade da concessão para a construção da linha de transmissão de energia que interligará Boa Vista (RR) a Manaus (AM), um investimento de R$ 1,4 bilhão.

O consórcio Transnorte, formado por Alupar (51%) e Eletrobras (49%), detém a concessão desde 2011, mas pede uma revisão do equilíbrio contratual muito acima do considerado aceitável pelas regras atuais do setor elétrico: uma RAP (Receita Anual Permitida) de R$ 396 milhões anuais para retomar as obras, contra uma RAP de R$ 186 milhões ao ano se mantido o contrato atual atualizado pelo IPCA.

Deságio médio de 20% em leilões de transmissão
Se a concessão for relicitada, de acordo com os patamares considerados aceitáveis pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética), poderia ir à leilão com teto de RAP de R$ 300 milhões anuais, abaixo do que foi pedido pelo consórcio Transnorte. Haveria ainda a possibilidade de um deságio sobre esse teto, disseram fontes. O deságio médio praticado nos leilões de transmissão é da ordem de 20%.

Tempo versus dinheiro
O governo analisa os prós e os contras da relicitação da concessão. Um dos fatores que mais pesam é a urgência do projeto, já que Roraima está sendo integralmente abastecida por geração térmica a diesel, a um custo de R$ 4 milhões ao dia para garantir o fornecimento do combustível para as usinas.

O estado não é conectado ao sistema elétrico nacional e era dependente de importação de energia da Venezuela. Com a crise no país vizinho, o suprimento foi cortado e a geração térmica passou a ser a única opção. O linhão, com 715 km de extensão, interligará Roraima, o último estado isolado, ao sistema.

Leia também:  Inadimplência das distribuidoras da Eletrobras chega a R$ 1 bi. ANEEL quer cortar recursos

Obras em 5 ou 12 meses
Se o governo mantiver o consórcio atual e autorizar a receita extra exigida, as obras do linhão poderão ter início em aproximadamente 5 meses: 3 para o licenciamento e mais 2 para o comissionamento das obras. Mas o consumidor de energia pagará mais por isso.

Caso a concessão seja retomada pelo poder concedente e relicitada, o custo repassado às tarifas será menor, mas, na melhor das estimativas, as obras só teriam início em cerca de 12 meses.

Uma das possibilidades em estudo é delegar ao CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) a decisão de fazer ou não uma nova licitação do linhão de Roraima, levando-se em consideração os prós e os contras: a urgência da retomada das obras versus o seu custo.

Liminar contra a caducidade
O consórcio Transnorte entrou na Justiça e obteve uma liminar impedindo previamente que o governo declarasse a caducidade da concessão. Mas, na última quarta-feira (8), a ANEEL entrou com recurso para cassar a decisão.

A decisão final da caducidade da concessão é de responsabilidade da agência reguladora, por isso a ANEEL entrou com o recurso na Justiça. Procurado, o órgão regulador informou que, por se tratar de uma política pública que está sob análise no Poder Executivo, não comentará sobre o assunto.

“Interesse Nacional”
No passado, o próprio consórcio Transnorte havia pedido para devolver a concessão do linhão de Roraima, devido às dificuldades de obtenção dos licenciamentos necessários junto ao Ibama e à Funai. A linha foi licitada em 2011 mas até hoje os proprietários não conseguiram licenciamento porque parte do trajeto atravessa uma reserva indígena: Waimiri Atroari.

Mas, em fevereiro passado, o Conselho de Defesa Nacional classificou o projeto de “interesse nacional”. Com isso, o licenciamento poderá ser obtido sem que seja necessário o aval da Funai, ou mesmo do Ibama. A expectativa é de que a LI (Licença de Instalação) da obra saia em 2 a 3 meses.

Leia também:  Comercializadora pede novo registro para operar, após dar calote no mercado de energia

Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.