Governo deve iniciar testes para VLT em linha de carga no entorno do DF


Dimmi Amora, da Agência iNFRA

O governo deverá iniciar em semanas os testes para o funcionamento de uma linha experimental de VLT (Veículo Leve sobre Trilho) ligando o município de Cidade Ocidental (GO), no entorno do Distrito Federal, à Brasília.

Acordo trabalhado ainda no governo de Michel Temer, entre o antigo Ministério das Cidades (agora Desenvolvimento Regional), a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e os governos locais, vai permitir a chegada de uma composição que não está em uso pela CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos). Os testes terão início sem passageiros, num trecho da malha da FCA (Ferrovia Centro-Atlântica).

Os testes vão analisar a velocidade em que a composição pode trafegar, tempos de percurso, se há interferências e se a linha tem problemas para esse tipo de operação, entre outras análises.

Se após o período experimental, estimado em 3 meses, o transporte se mostrar viável, a CBTU vai implantar uma plataforma na Cidade Ocidental para receber passageiros e levá-los até uma estação de trens existente e sem uso em Brasília, a Rodoferroviária.

A composição tem capacidade para 400 passageiros, mas o início das operações será com passageiros convidados, sem cobrança. O VLT que vai operar é movido a diesel, adquirido junto à Bom Sinal.

A ideia é que essa linha tenha um serviço único ao longo do dia, nos horários de pico da manhã e da tarde, enquanto a EPL (Empresa de Planejamento e Logística) realiza estudos para ampliar a capacidade da linha, localização de estações, entre outros. Além de ter apenas uma composição, a linha é singular.

O presidente da EPL, Jorge Bastos, determinou análises, que devem se estender ao longo de 2019, para avaliar a viabilidade de uma concessão ou outra forma de serviço nessa região.

Leia também:  TCU determina que Dnit divida melhor funções para anteprojetos de Contratação Integrada

A ideia do então ministro das Cidades, Alexandre Baldy, atualmente secretário no governo de São Paulo e responsável por destravar o projeto, era de que a operação ocorresse ao longo do período de estudos para auxiliar nas análises e, posteriormente, já ter um público usuário para o sistema.

O novo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, já determinou que a EPL faça levantamentos de áreas onde atualmente as linhas de trem de carga estão subutilizadas ou abandonadas, para avaliar a viabilidade de serem usadas para transporte de passageiros sobre trilhos, o que ficará sob os cuidados da Secretaria de Mobilidade Urbana do Ministério do Desenvolvimento Regional.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.