Crédito: Marcelo Casal/Agência Brasil

Estatais de energia em crise podem mudar desenho do setor

Natalia Gómez, para a Agência iNFRA

 

As empresas estatais de energia enfrentam um quadro desafiador que pode mudar a configuração do setor, depois que ativos importantes mudarem de mãos. Enquanto a Cesp se aproxima da sua privatização, elétricas como a Copel e a Cemig preparam a venda de empresas para melhorar a sua situação financeira, com o desafio de conseguir bons preços pelos ativos.

A estatal paulista está mais perto da sua privatização, depois de o governo ter melhorado as condições de venda. A redução do preço por ação de R$ 16,80 para R$ 14,30 e a ampliação do contrato de concessão da sua principal usina, a hidrelétrica de Porto Primavera, de 2028 para 2048, são os maiores atrativos para os potenciais compradores.

Estas mudanças no edital de privatização deixaram o mercado confiante de que devem aparecer interessados na Cesp desta vez, depois de a venda ter sido suspensa em 2017 por falta de compradores, de acordo com o analista da Eleven Financial Research, Igor Canan Kfouri.

Passivos judiciais de R$ 10,3 bi
Resta saber como os interessados vão avaliar as incertezas enfrentadas pela Cesp no campo judicial. Por um lado, a companhia ainda tem R$ 10,3 bilhões em contingências judiciais no balanço, mesmo depois de ter chegado a um acordo com o governo do Mato Grosso do Sul sobre ações movidas contra a Cesp.

Ao mesmo tempo, a empresa estima que poderia receber R$ 10 bilhões referentes a indenizações por investimentos não amortizados em concessões vencidas e devolvidas à União. No edital anterior, estes possíveis ganhos ficavam nas mãos do governo paulista, mas o novo edital prevê que os ganhos ficarão com o vencedor.

“Existe um risco significativo e também um potencial de ganho significativo. Como um comprador vai pesar estas duas questões é a grande dúvida que ficou no momento sobre a Cesp”, explica o gerente de projetos da Roland Berger, Mauro Nucci de Toledo.
Entre os possíveis interessados no leilão da Cesp, marcado para 2 de outubro, são esperadas empresas do setor elétrico, incluindo investidores da China, e também agentes financeiros, como fundos de private equity.

Ativos à venda
A Cemig e a Copel também estão em situação difícil, e ambas estudam vendas de ativos para melhorar a situação financeira. A estatal mineira tem um programa de desinvestimentos que prevê a venda de sua fatia na Light e de vários outros negócios, como a participação na hidrelétrica de Santo Antônio, na Renova e na Cemig Telecom.

Até agora, nenhuma venda saiu do papel, embora a empresa tenha declarado publicamente que a venda dos ativos é uma necessidade. A dívida líquida da Cemig no final do primeiro trimestre deste ano era de R$ 12,8 bilhões, sendo a maior parte com vencimento até 2024.

Segundo especialistas, o caos econômico do estado de Minas Gerais e a perda da concessão de quatro usinas no ano passado são fatores que pesaram contra a Cemig, além de más escolhas feita pela gestão da empresa, como o excesso de agressividade na compra de ativos no passado. Um dos investimentos questionados pelos analistas foi a compra da Renova Energia, que hoje enfrenta grave crise financeira e corre o risco de entrar em recuperação judicial.

Light é destaque
No plano de desinvestimentos da Cemig, o ponto mais comentado é a possível venda da fatia da Light, que ganhou destaque depois que os sócios da Cemig na Light acionaram uma opção de venda de suas participações na elétrica que obriga a Cemig a comprar suas ações ou encontrar um terceiro interessado até novembro deste ano.

A operação teria despertado o interesse de alguns compradores – como GP Investments, a italiana Enel e a Neoenergia, além de investidores chineses – mas nenhuma oferta recebida até o momento foi considerada atrativa.

Demora na venda não é má notícia
Para o sócio da Roland Berger, Gustavo do Canto Lopes, a demora na venda não é necessariamente uma má notícia para a Cemig. Segundo ele, existem muitas empresas tentando vender ativos no Brasil, mas está difícil fechar negócio no cenário atual. “É melhor segurar o ativo do que vender barato”, avalia.

A expectativa de conseguir um preço elevado pela venda da fatia na Light ficou ainda maior depois que a italiana Enel pagou um valor considerado alto pela Eletropaulo, em junho deste ano, segundo o analista da Eleven Financial. “Se a Eletropaulo foi esticada aos múltiplos que foi, por que não acreditar no potencial de valorização?”, questiona.

Na lista de desinvestimentos da estatal mineira, a operação que está mais perto de acontecer é a venda da Cemig Telecom, subsidiária de telecomunicações, que tem leilão marcado para 8 de agosto. A Cemig declarou em julho que existem mais de 17 interessados na empresa.

Copel
A paranaense Copel também tem um plano de desinvestimentos à vista, embora não tenha detalhado ao mercado quais ativos pretende vender. A venda de ativos tem o objetivo de desalavancar a empresa, que tem dívida líquida 3,3 vezes maior que a geração de caixa (Ebitda), segundo dados do primeiro trimestre deste ano.

Em meados do ano passado, a empresa chegou a preparar uma oferta de ações de R$ 4 bilhões, mas o plano não foi adiante devido à reação negativa do mercado, afirma a analista da Coinvalores, Sabrina Stefani Cassiano. “Agora o mercado espera os próximos passos, como uma emissão de dívida ou mesmo uma nova oferta de ações”, afirma.

Outro grande desafio destas companhias é definir quais são as suas prioridades em termos estratégicos. “Entender em quais áreas vale a pena crescer é o grande desafio das empresas”, avalia Lopes. Segundo ele, a entrada de novos players e a mudança de mãos de ativos farão com que o setor não seja mais o mesmo daqui a alguns anos.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.