Estação de tratamento de esgoto na Bahia vai gerar metade da energia com o seu próprio biogás

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A Embasa, estatal de saneamento da Bahia, começa a construir sua primeira ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) num modelo em que o biogás será utilizado como fonte energética. A expectativa do projeto é que pelo menos metade da energia consumida na ETE seja produzida por esse método.

O projeto foi apresentado pelo diretor da companhia baiana, César Ramos, durante o evento Mostra de Cooperação Técnica Internacional, promovido pelo IICA (Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura), em Brasília.

Ramos chamou a proposta, que fez parte de um financiamento de R$ 19 milhões do instituto, num acordo de cooperação, como um novo modelo a ser desenvolvido para os sistemas de tratamento de esgoto no país, integrando tratamento de água, redução de emissões, produção de energia e reúso da água.

“Não estamos fazendo o tratamento de esgoto com todo o potencial que ele merece”, afirmou Ramos, dizendo que o projeto tem capacidade para mudar a cultura operacional da empresa para uma nova era.

Energia subsidiando o saneamento
Segundo Ramos, o consumo de energia é um dos maiores custos para o setor de saneamento e será necessário fazer a integração entre os dois setores para que seja possível desenvolver as empresas de saneamento, produzindo o que ele chamou de subsídio cruzado. Ou seja, a geração de energia, que tem margens maiores, subsidia o saneamento, com margens menores.

No caso da Embasa, além da geração nas estações, seria possível também utilizar lagoas e terrenos da empresa para ampliar a produção de energia eólica e fotovoltaica. “As empresas de saneamento têm condições de serem autossuficientes em energia”, afirmou Ramos.

Reúso da água
A ETE a ser construída fica da região de Camaçari. Além da geração de energia por biogás, a estação vai fazer um tratamento para reúso da água, o que também vai gerar economia para a companhia. Isso porque o esgoto da região hoje é despejado no mar por um emissário submarino de uma companhia privada.

Leia também:  Estudo do Ipea aponta ineficiência nas empresas de saneamento no Brasil

Além de deixar de pagar pelo serviço de emissão, a água poderá ser reintroduzida na bacia da região, que tem sofrido com a redução da produção de água ao longo do tempo. Essa ETE deve ampliar a cobertura da região de 49% para 85%, beneficiando 400 mil moradores. Em toda a região atendida pela Embasa, a cobertura de saneamento está por volta dos 36%.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.