Equipe de transição de energia entrega diagnóstico do setor a futuro ministro

Leila Coimbra, da Agência iNFRA*

Na reta final dos trabalhos, o grupo de trabalho de Minas e Energia da equipe de transição entregou um Raio X das áreas de mineração, energia elétrica e petróleo e gás para o futuro ministro da pasta, almirante Bento Lima Albuquerque Júnior.

Coutinho: três relatórios
Foram elaborados três diferentes relatórios, explicou o coordenador do grupo de trabalho de Minas e Energia do futuro governo, Paulo Coutinho: 1) um deles trata das medidas mais imediatas, que terão que ser tomadas nos dez primeiros dias de governo; 2) um outro estabelece cronogramas com objetivos para os seis primeiros meses, um ano e até quatro anos, quando chega ao fim o mandato de Jair Bolsonaro; 3) e um terceiro que é mais abrangente, e traz efetivamente o diagnóstico dos setores da pasta.

Setor foi ouvido
Segundo Coutinho, esse diagnóstico foi feito com base em conversas com os setores: executivos de associações, empresas, estatais e órgãos de governo, além de especialistas.

Dentre os principais problemas listados estão: o imbróglio causado pelo risco hidrológico (GSF), indenização às transmissoras por instalações da rede básica existente (RBSE), licenciamento ambiental e a subvenção do diesel para caminhoneiros. “São todos problemas para ontem”, diz Coutinho.

Viagem a Montevidéu
Coutinho falou sobre os trabalhos da equipe de transição durante viagem que fez junto com o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, e o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, ao Uruguai, na última quarta-feira (12).

Eles participaram da 48ª Reunião Ministerial da OLADE (Organização Latino-Americana de Energia), em Montevidéu, no Uruguai. O diretor da agência reguladora, Efraim Cruz, também participou do encontro, que contou com ainda com a presença de mais de 20 ministros de estado dos países pertencentes à OLADE.

Leia também:  "Prioridade seria o ONS", diz responsável pelo programa de energia de Bolsonaro

Segundo o diretor-geral da ANEEL, os principais pontos discutidos na OLADE são a interligação energética da América do Sul, e também a descarbonização da matriz energética dos países sul-americanos com a geração de energia a partir de fontes renováveis.

“A OLADE não aponta uma fonte em especial, mas prioriza que cada país desenvolva o seu potencial”, disse Pepitone.

 

A Editora viajou a convite da ANEEL*

Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.