Eólicas lideram desembolsos do BNDES na área de energia, mas transmissão dá salto de 137%

Andréa Shad, para a Agência iNFRA, do Rio de Janeiro

A geração eólica continua liderando os financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) na área de energia. No biênio 2017/18, os desembolsos chegaram a R$ 10,78 bilhões, alta de 13% ante 2016/15 (R$ 9,53 bilhões). O destaque, no entanto, é para o segmento de transmissão, que deu um salto de 137% no mesmo período, passando de R$ 4,28 bilhões para R$ 10,15 bilhões.

Por outro lado, no mesmo período, os créditos para hidrelétricas despencaram 85%, de R$ 8,67 bilhões para R$ 1,26 bilhão E os para distribuição caíram 37%, de R$ 5,92 bilhões para R$ 3,73 bilhões.

Térmicas
Os desembolsos do BNDES para termelétricas cresceram 174%, um percentual alto, mas em termos de volume financeiro, o total ainda é baixo comparado a outras fontes: R$ 630 milhões em 2017/18 ante R$ 230 milhões no biênio anterior. Já no setor de PHC (pequenas centrais hidrelétricas), os financiamentos caíram 10%, de R$ 820 milhões em 2015/16 para R$ 730 milhões no biênio seguinte.

Carla Primavera: mudança de perfil
Houve uma mudança de perfil, segundo a superintendente da área de energia do banco, Carla Primavera. Os financiamentos em hidrelétricas costumavam ser bem mais fortes em 2008 e foram decrescendo ao longo dos anos, devido ao menor número de investimentos licitados. No ano passado, o BNDES fez o último grande desembolso em hidrelétrica.

“Mas em relação à geração de energia, começamos a fazer um trabalho de não só financiar projetos que tenham venda de energia no mercado regulado, mas também que vendam no mercado livre”, explica Carla.

R$ 64 bilhões e 13 GW
A energia eólica tem sido a principal matriz renovável apoiada pelo BNDES, que já financiou 13GW, com investimentos de R$ 64 bilhões. Mas agora, o banco de fomento está focando bastante em biomassa, solar e energia híbrida (eólica e solar).

Leia também:  Judicialização na transmissão chega a R$ 8,9 bi e se torna um grande problema, diz Abrate

“A discussão é mais regulatória, pra depois apoiar o investimento de projetos híbridos: vento com sol e híbrido que considere armazenamento de energia (baterias)”, afirma Carla. É preciso definir como regulamentar o parque híbrido em relação ao eólico, que já vende energia no mercado regulado.

“A expectativa de desembolso total pra 2019 é que fique próximo ao de 2018, com menos hidrelétrica e maior presença do eólico no mercado livre”, prevê Carla. Em 2017/2018, a energia solar começou a se destacar e recebeu financiamento pela primeira vez: R$ 1,06 bilhão.

Mercado Livre 
A expansão do mercado livre de energia é outro esforço da agenda do setor. Segundo Carla, as instituições financeiras já estão acostumadas a financiar projetos de geração no mercado regulado, o que não existe no livre: “O BNDES tem papel importante de criar ambiente de financiamento para essas áreas de mercado livre”.

No ano passado, foi lançado o preço de referência para o mercado livre estruturar financiamento de projetos de longo prazo. Hoje há 13 projetos em análise, com capacidade de 2,7 GW, sendo 818 MW de energia eólica e o restante de solar.

O BNDES apoiou o primeiro projeto de parque eólico do país, em Osório, no RS, em 2005. Hoje, a maioria dos parques está no Nordeste. Dos dez maiores produtores de energia eólica do país, oito estão no NE e dois, no Sul, segundo a ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica). E no Sudeste, o banco apoia um parque pequeno, em Minas Gerais.

Carla acredita que há a necessidade de reforçar o investimento em energia eólica, hoje centralizada no Nordeste, para atingir o Sudeste, região com maior demanda. Sobre a energia solar, o banco já apoia projetos de grande escala em Minas Gerais e no Rio Grande do Norte, que totalizam R$ 2,8 bi de investimentos, com capacidade de 500 MW.

Leia também:  Desconhecida, empresa com sócio em paraíso fiscal quer administrar rodovia com pedágio no RJ

Meio Ambiente e Green Bonds
“O investimento em energia renovável traz um orgulho pelo apelo ambiental grande, que contribui pra amenizar a questão climática”, defende a superintendente do BNDES.

Com essa carteira, o banco pôde também captar no mercado externo. O BNDES foi a primeira instituição financeira brasileira a emitir green bonds (títulos verdes) no mercado internacional em 2017, na Bolsa de Luxemburgo, vinculados a oito complexos eólicos, com 1,3 GW, que devem evitar a emissão de 421,6 toneladas de CO2. A carteira eólica atrai não só investidores tradicionais brasileiros, mas também fundos internacionais, como canadenses e americanos.

Autossustentável
O financiamento é baseado na capacidade de o projeto gerar receita. Não é um olhar de custo. O projeto vende energia no mercado regulado e vai receber receita por 20 anos. O modelo de financiamento é de projeto autossustentável. Não depende que um garantidor aporte dinheiro pra pagar a dívida. O banco só empresta referente ao que o projeto tem capacidade de devolver.

Quando o eólico começou, os financiamentos tinham um diferencial no spread básico. Hoje, o segmento se estabeleceu, tem cadeia produtiva e não precisa mais dessa vantagem.

“O segmento solar que ainda não percorreu a trajetória do eólico, precisa de mais estímulo. A carteira é bem inicial e não vai crescer só na geração descentralizada, vai crescer também na distribuída e vai percorrer a trajetória da eólica”, prevê Carla.

Privatizações
O BNDES acompanha a discussão do debate no mercado sobre a potencialidade que o gás pode trazer para a economia e formou um grupo envolvendo várias áreas. Um dos estudos, segundo Carla, é sobre o uso do gás como combustível para caminhões e ônibus.

O potencial de desestatização de empresas estaduais de energia e gás é outra área de estudo. Esse tipo de conversa tem sido liderada pelo presidente do BNDES, Joaquim Levy, com governadores. Mas a liberação desses financiamentos depende da definição das privatizações.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.