Entidades do agronegócio reclamam de modelo de concessão rodoviária com outorga

Rodrigo Zuquim, da Agência iNFRA

Representantes do setor produtivo queixaram-se do novo modelo de concessão apresentado na sessão presencial da audiência pública 12/2019, que trata da concessão de trechos das rodovias BR-153/414/080 nos estados de Tocantins e Goiás. A sessão foi realizada na última quinta-feira (29), em Brasília.

“Nós somos veementemente contra este modelo de outorga”, disse Edeon Vaz Ferreira, diretor-executivo do Movimento Pró-Logística na Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso). Para Vaz Ferreira, o critério do maior valor de outorga vai “contra tudo aquilo que o setor produtivo pensa”.

Entre as inovações do novo modelo de concessão rodoviária, apresentadas pelo gerente de Regulação e Outorgas de Rodovias da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), Marcelo Fonseca, destaca-se o novo critério de julgamento do leilão, que passará a ser híbrido, combinando a proposta de menor tarifa com o melhor valor de outorga.

Neste modelo, considera-se primeiro a proposta de menor tarifa e em seguida o valor de outorga. “Havendo uma ou nenhuma [proposta] que atinja o [deságio máximo de] 12%, declara-se vencedor o primeiro lugar do certame. Havendo mais de uma, passa-se para a fase da outorga”, explicou Fonseca em sua apresentação.

Assim como a Aprosoja, a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) também se posicionou contrária ao novo modelo. “Devemos preservar o critério da menor tarifa. A menor tarifa está lesada neste modelo por vários mecanismos”, disse Luiz Antônio Fayet, consultor de infraestrutura e logística da CNA, que considera o novo modelo muito oneroso para a sociedade.

Fayet também fez outras observações, como a sugestão para um mecanismo que permita a participação nos certames apenas a grupos que tenham ficha limpa; o pedido para que as licitações contemplem trechos menores, a fim de evitar que grandes trechos fiquem nas mãos de um único administrador; e a exigência de uma grande caução de garantias, compatível com o tamanho da responsabilidade que seria assumida no investimento.

Leia também:  ANTT suspende novos investimentos em concessões rodoviárias

‘Menor tarifa não é bem sucedida’, diz Minfra
Representando o Ministério da Infraestrutura, Stephane Quebaud defendeu o novo modelo e observou que a experiência da menor tarifa, que levou a deságios expressivos na 2ª e na 3ª etapas, não é bem sucedida e prejudica o projeto. Segundo Quebaud, a outorga permite resgatar a saúde do fundo de caixa dos projetos. “Entendendo que a questão da outorga é complexa, oferecemos um modelo híbrido”, completou.

Sobre as garantias, o gerente de Estruturação de Negócios da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), Diógenes Alvares, afirmou que o contrato determina que a concessionária apresente garantias de execução para cumprimento das obrigações.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.