Empréstimos compulsórios da Eletrobras: uma questão de R$ 18 bi no STJ

Guilherme Mendes, da Agência iNFRA

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) até colocou em pauta, no último dia 18, recurso onde a Eletrobras contesta a possibilidade de que incidissem, ao mesmo tempo, juros remuneratórios e moratórios sobre os Empréstimos Compulsórios (ECE) contraídos pela empresa. O caso, porém, foi retirado durante a própria sessão, e ainda não possui data para retornar ao plenário.

No recurso, a estatal e clientes discutem a incidência dessas correções, mesmo após a decisão da estatal em converter o valor a ser pago em ações da companhia. As pessoas físicas e jurídicas que recorreram ao STJ entendem que esta correção deve levar em conta a data em que houve o efetivo pagamento da devolução, ou a data em que houve a efetiva conversão do crédito em ações.

O caso se arrasta nos tribunais desde 2005, quando houve a conversão do ECE em ações pela Eletrobras. No STJ, o recurso tem a relatoria do ministro Gurgel de Faria, presidente da 1ª Seção do tribunal – composta de 10 ministros, responsáveis por julgar casos de direito público, e que darão a palavra final sobre o tema.

Ministros, aliás, que se dividiram ao analisar a questão. Em junho de 2019, quando analisou embargos apresentados pela última vez, a 1ª Seção formou maioria de seis votos a quatro para manter a incidência dos juros remuneratórios após a assembleia de conversão das ações, no que simbolizou uma derrota para a estatal. À época, prevaleceu o voto de Gurgel de Faria.

A questão do ECE é uma das causas sensíveis à estatal no tribunal: nas demonstrações financeiras de 2018, a estatal afirmou ter provisionado cerca de R$ 18 bilhões para essa questão.

Em março do ano passado, a 1ª Seção já havia formado maioria, impossibilitando que a Eletrobras dividisse essa dívida com a União. Este recurso ainda está em aberto no tribunal, e é julgado na sistemática de repetitivos – isto é, a decisão a ser firmada valerá para todos os casos com a mesma questão em tribunais inferiores ao STJ.

Leia também:  Medida Provisória prevê 50% dos recursos da venda de Tucuruí para diminuir impacto tarifário

O empréstimo compulsório começou a ser cobrado na década de 1960 sobre o consumo de energia elétrica de grandes consumidores industriais. A dívida foi formada pela correção monetária e juros sobre os valores do compulsório. A cobrança deveria ter sido extinta em 1977, mas vigorou até 1993

Privatização
Para levar adiante seu processo de privatização, a Eletrobras precisa resolver a questão das ações judiciais sobre os empréstimos compulsórios, segundo determinação do TCU (Tribunal de Contas da União).


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.