Desconhecida, empresa com sócio em paraíso fiscal quer administrar rodovia com pedágio no RJ


Dimmi Amora, da Agência iNFRA

Uma empresa com capital social registrado de apenas R$ 10 mil, que tem entre os sócios empresas registradas no exterior e cujos reais proprietários não têm nomes divulgados. Essa companhia tem como representante no Brasil um condenado por fraude fiscal e, nos EUA, pessoas ligadas à indústrias de tecnologia e agricultura. Pois essa empresa pode assumir uma concessão federal de rodovia no Brasil.

Trata-se da concessão da Rodovia do Aço (BR-393/RJ), operada desde 2008 pela vencedora da licitação, a espanhola Acciona Concessiones, que teria ainda 15 anos de contrato para ampliar, cujas obras estão atrasadas, e operar a via. Mas, num negócio com pouco alarde, a Acciona anunciou, em Fato Relevante, que estava passando a concessão para a KT2 Assessoria e Consultoria em Gestão de Negócios e Participação LTDA.

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), responsável pela concessão, deu este mês anuência prévia para a operação. De acordo com Sérgio Lobo, diretor da agência que foi responsável pela análise, a empresa apresentou documentação prevista em lei e a operação está condicionada ao aporte de recursos superiores a R$ 200 milhões, os quais garantem o fluxo de caixa da concessão para operação e a realização de obras e a quitação de empréstimos junto ao BNDES. Lobo afirmou não caber à ANTT avaliar a origem do dinheiro, caso haja o aporte.

Administrar rodovias é um negócio complexo. Mesmo o país sendo um dos maiores do mundo em termos de trechos concedidos, as pouco mais de 60 concessões em atividade pertencem a pouco mais de 20 grupos empresariais. Em geral, essas empresas têm origem em construtoras ou grandes fundos de pensão, que topam assumir o risco de investir grandes somas de dinheiro no início para recuperar nos anos finais, quando isso ocorre.

A KT2 está longe desse perfil. Criada em 2011, a empresa apresenta em suas atividades registros diversos, que vão de teleatendimento a comércio atacadista de informática. Não há em seu histórico qualquer registro de experiência em área de concessões e grandes obras de infraestrutura, além de um capital social ínfimo para esse tipo de empreitada.

A empresa está registrada em nome de três sócios: Carlos Alberto Kubota, Group K2 Holdings LLC e Group 2GK LLC. Kubota é procurador, no Brasil, das duas empresas, que têm domicílio nos EUA, de acordo com informações da Receita Federal.

Kubota é administrador de empresas e já foi condenado pela Justiça, por apropriação indébita, a quatro anos de prisão em regime aberto (pena convertida em serviços comunitários). Como sócio-administrador de outra empresa, a Freio Bus Equipamentos, não recolheu por quatro anos os valores de INSS descontados de funcionários. Ele teve recursos contra a sentença negados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) nesse caso.

Através de sua assessoria, Kubota informou que a Freio Bus era uma empresa familiar e que, quando já não participava de sua administração, ela entrou em processo de falência e que levou aos problemas relatados no processo. “A questão foi resolvida e trata-se de um assunto já encerrado”, informa o texto.

LCCs em Delaware

As empresas americanas representadas por Kubota são duas LLC (Limited Liability Companies), ou seja, companhias que protegem seus donos de responsabilidades legais. Uma das sócias da KT2, a Group K2 tem sede em Miami (EUA), mas está registrada em Delaware, um estado que protege com mais rigor o nome dos proprietários da empresa, além de propiciar benefícios fiscais aos empresários. Parte das entidades de combate à lavagem de dinheiro classificam o estado como paraíso fiscal.A Group 2GK, outra sócia, também está registrada em Delaware e foi criada em 2016.

Tanto a Group K2 quanto a Group 2GK aparecem como coligadas de outras dezenas de empresas na América do Norte, ligadas ao ramo de tecnologia e ao agronegócio, várias delas representadas por Kubota. Não há nenhum registro sobre atuação em concessões ou construção civil, por exemplo.

Leia também:  Sugestões técnicas do TCU na renovação da Malha Paulista impactarão ferrovias da Vale

Dos poucos registros que aparecem nessa área de infraestrutura em relação à KT2 Assessoria e Consultoria, um chama atenção. Em junho de 2017, o secretário de Infraestrutura do Ceará, Lúcio Ferreira Gomes, pediu diária para viagem a Brasília e a São Paulo para, de acordo com dados do Diário Oficial, “participar de reunião na empresa KT2 Comércio de Máquinas e Equipamentos Industriais e Assessoria em Gestão de Negócios e Participações Ltda, em São Paulo/SP e em Brasília/DF de reunião na Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana/Ministério das Cidades, para tratar das obras da Linha Leste do Metrô de Fortaleza”.

A linha Leste do Metrô de Fortaleza era uma concessão que a Acciona venceu, mas não entregou as obras. Nesse período da viagem, o governo cearense tentava uma solução para que as obras prosseguissem, o que não ocorreu e o contrato acabou rescindido.

Perguntado o que a KT2 tinha relação com o tema, a assessoria de Gomes respondeu que a reunião para tratar da Linha Leste foi apenas a de Brasília. Perguntado novamente sobre o tema da reunião com a KT2, a assessoria não respondeu.

A Acciona também não respondeu à pergunta da Agência iNFRA se tinha alguma relação prévia com a KT2 e nem a qualquer outra questão enviada. Em uma curta nota, a empresa informou que “A ANTT, como parte do processo de venda, analisou a operação e concedeu anuência prévia para a mesma. A KT2 é empresa regularmente constituída no Brasil e continuará bem atendendo aos usuários da Rodovia do Aço e mantendo o fiel cumprimento do Contrato de Concessão tão logo a transação seja concluída. Até a conclusão da operação a Rodovia do Aço permanece sendo operada pela Acciona”. A KT2 nega que tenha prestado serviços para a Acciona.

R$ 117 milhões em obras por fazer

A Rodovia do Aço tem 200 km de concessão e precisa de cuidados nesta operação porque está longe de ser a que estava prevista quando foi leiloada em 2007. Com pedágio atual de R$ 7,00 em três praças, a rodovia deveria estar com a maior parte de seus trechos duplicados desde 2013.

Naquele ano, a concessionária (assim como outras que estavam com obras atrasadas) fez um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), disponível neste link, com a ANTT para ter mais até cinco anos de prazo para concretizar mais de 60 obras que estavam atrasadas. Cumpriu o cronograma para as obras mais simples, mas 16 intervenções mais complexas, como os 27 km de duplicação e 14 km de variantes, nunca começaram.

A equação financeira da rodovia sofre com os valores muito baixos de pedágios ofertados pelas vencedoras das concessões de 2007, ano prévio à crise econômica mundial de 2008, que contavam com crédito internacional barato, principalmente da Espanha, para viabilizar os contratos. No caso da Acciona, o pedágio dela é menos de metade da média das rodovias da primeira etapa federal de concessões, por exemplo.

No início deste ano, em informação antecipada pela Agência iNFRA, a Acciona apresentou pedido formal para se enquadrar nos artigos da Lei 13.448/2017 que permite a devolução amigável da concessão. Nesse sistema, a empresa aguarda operando a via até que uma nova empresa assuma a rodovia, com novo preço de pedágio, e pague as dívidas da companhia junto a bancos.

Leia também:  Fundos do ministério da Infraestrutura devem ganhar novo papel para ampliação de financiamentos

Em troca, a empresa não tem que cumprir as obrigações, mas não é indenizada pelo que já fez. A ANTT, no entanto, não pode dar prosseguimento ao processo porque o governo não regulamentou a Lei 13.448/2017, que permitiria esse tipo de negociação.

As dívidas da Acciona não são pequenas. De acordo com balanço da companhia de 2017, disponível neste link, do contrato de financiamento com o BNDES assinado em 2011 no valor de R$ 352 milhões, R$ 277 milhões já foram liberados. O saldo da dívida no fim do ano passado estava em R$ 216 milhões.

O banco público informou oficialmente, à Agência iNFRA, que foi comunicado da negociação entre a Acciona e a KT2, e que analisa a operação. Ela é necessária para que a empresa nova possa seguir com os financiamentos. Uma fonte com experiência nesse tipo de operação do BNDES classificou como praticamente impossível que o banco libere a operação nas condições da KT2.

Isso, no entanto, não significa que ela não poderá ser feita. Para isso, a KT2 terá que quitar o financiamento com o BNDES, o que acabou virando condicionante para a venda, de acordo com a decisão da ANTT. Além dos passivos com o BNDES, há outros passivos, da ordem de R$ 40 milhões, segundo o balanço, além das obras que deverão ser entregues e são estimadas em R$ 117 milhões, pela ANTT.

Todo esse dinheiro e mais os custos operacionais da via terão que ser garantidos a uma concessão que tem acumulados em 10 anos de vida prejuízos de R$ 78 milhões. E tem somente mais 15 anos de operação. De acordo com o balanço de 2017, o faturamento com pedágio na Rodovia do Aço foi de R$ 105 milhões.

Cumprir compromissos

Em nota, a KT2 informou que não pode revelar valores e nomes dos proprietários da companhia por questões de “confidencialidade”. Informou ainda que pretende cumprir todos os compromissos assumidos com a ANTT para a viabilização do negócio e a operação da rodovia.

“A KT2 é uma empresa voltada a operação e investimentos em projetos de infraestrutura, tendo os recursos necessários para a operação, atendendo aos requisitos legais para tanto. Tratasse de um processo em andamento, e a empresa irá cumprir tudo o que for acordado com a ANTT e a Acciona”.

No processo em que votou pela aprovação da anuência prévia dessa troca de controle, se cumpridas as condicionantes, a ANTT informa que a documentação inicial da KT2 não estava de acordo com o que exige a agência e que, após a regularização, seguiu com a análise do pleito.

O documento informa que, pelas normas da agência, confirmadas num acórdão do TCU (Tribunal de Contas da União), a expertise técnica não é exigida nesses casos, ficando os engenheiros da própria concessionária responsáveis pelas anotações de responsabilidade técnica (ART) para os projetos de engenharia.

Em relação aos recursos necessários, o diretor Sérgio Lobo diz que, caso eles sejam integralizados, a nova vencedora terá que cumprir as obrigações em relação a obras que estão vencidas, para que não receba as punições previstas – como redução dos valores de pedágio e até mesmo a mais radical, a declaração de caducidade.

Segundo Lobo, se os recursos forem integralizados, a concessionária poderá fazer as obras e, assim, melhorar a via para os usuários, o que poderia demorar em caso de devolução da concessão.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.