Em audiência, diretor da ANTT aponta falta de pessoal para operar concessões previstas

Tales Silveira, da Agência iNFRA

A terceira reunião da Comissão Mistas destinada a debater a MP (Medida Provisória) 882 que reconfigura o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), realizada na última quinta-feira (11), tratou das atribuições e competências de fiscalização das Agências Reguladoras com ênfase na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), na ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) e na ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil).

Foram apresentados os andamentos das concessões individuais de cada agência. O diretor-geral da ANTT, Mário Rodrigues Júnior, pediu a atenção ao quadro de funcionários da agência. “Já temos mais de 20 concessões rodoviárias e vamos ter mais 8 delas. Temos 5 concessões de ferrovias e ainda vamos criar mais duas. Nosso quadro atualmente é muito capacitado, mas o aumento da demanda tem que vir atrelado ao aumento do número de funcionários.”

Além das agências, o encontro contou com representantes do Cosentrans (Conselho Nacional de Secretários de Transportes), da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), da Anetrans (Associação Nacional de Empresas de Engenharia Consultiva de Infraestrutura de Transportes) e da Caixa Econômica Federal.

Fusão das Agências
Durante a audiência, os senadores questionaram ANTT e ANTAQ sobre a possível edição da MP que funde as duas agências e repassa para outros órgãos, entre eles o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e a EPL, as decisões sobre concessões.

Tanto a ANTT quanto a ANTAQ foram contrárias à fusão. Segundo o diretor da ANTAQ Francisval Mendes, a ideia de criar uma fusão advém de uma falta de conhecimento jurídico do governo.

“Sou contrário a essa fusão, não só por força de vontade própria, mas dentro da estrutura doutrinária brasileira. Quando colocam assuntos dessa natureza, se esquecem de aprofundar em estudos o que evitaria muitos desgastes.”

Leia também:  TCU determina revisão de processo de inclusão de obra em concessão de rodovia

Outras atribuições da 882
A MP 882 também amplia a esfera de responsabilidades do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e reformula o funcionamento do Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

Além disso, a medida incorpora competências do Conit (Conselho Nacional de Integração de Políticas de Transporte) ao Conselho do PPI. Tudo isso com o objetivo de propor medidas que propiciem a integração dos modos de transporte e harmonização das políticas setoriais.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.