Decreto reestrutura MME e fortalece secretaria-executiva da pasta

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

Uma reestruturação interna do Ministério de Minas e Energia foi oficializada na noite de quarta-feira (2), com a publicação do Decreto 9.675, em edição extra do Diário Oficial.

O novo desenho da pasta extingue alguns cargos e cria outros. Um dos principais destaques é o fortalecimento da estrutura da secretaria-executiva da pasta, que agora é ocupada por Marisete Dadald.

Será criada a Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração; e mais quatro assessorias especiais: 1) de Gestão Estratégica, 2) de Assuntos Regulatórios, 3) de Projetos e 4) de Meio Ambiente.

Para ocupar a assessoria especial de Gestão Estratégica, está cotada Agnes Aragão, que já trabalha no MME, na assessoria econômica, onde Marisete chefiava. Ainda não existem indicados para as outras vagas, mas o objetivo é buscar no mercado profissionais jovens e com perfil inovador para as funções.

Transição suave
O preenchimento dos cargos estruturais do MME deve ser feito nos próximos dias, mas não há pressa. Segundo interlocutores, o ministro Bento Albuquerque prefere analisar com calma cada opção e não tomar decisões precipitadas.

Já foi escolhido o secretário de Planejamento Energético: será o presidente da EPE, Reive Barros, que deixará a empresa, no Rio, e seguirá para Brasília, no lugar de Eduardo Azevedo. Para o cargo de secretário de Energia, deverá vir alguém do setor privado, informaram fontes. Para a secretaria de Mineração, o mais provável é que seja indicado um militar. E, para a secretaria de Óleo e Gás, Márcio Félix, que até ontem era o secretário-executivo da pasta, deverá ser o indicado.

Estatais
Houve uma decisão interna de não se fazer a indicação de presidentes e diretores de estatais de forma apressada. É conhecido que empresas como Furnas, Chesf e Eletronorte costumam ser redutos de indicações políticas locais. A maioria dos nomes atuais deverá ser mantida em um primeiro momento.

Leia também:  Emissão de debêntures na área de energia aumenta 160% em 2018

A partir da posse do Legislativo, e das eleições para as presidências da Câmara e do Senado, essas indicações deverão ser feitas. Um dos atuais cotados para a presidência da Chesf é o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), que não se reelegeu. Aleluia tem transitado com desenvoltura no novo governo e já presidiu a estatal no passado. Tem conhecimento técnico da área de energia.

No caso de Furnas, um dos principais políticos influentes na empresa é o deputado Leonardo Quintão (MDB-MG), que também não foi reeleito, mas já foi nomeado para fazer parte do governo de Bolsonaro. Ele comandará a recém-criada Secretaria Especial para o Senado, da Casa Civil, onde trabalhará juntamente com o ministro Onyx Lorenzoni na articulação junto ao Legislativo.

Para evitar qualquer desgaste político, as nomeações das subsidiárias da Eletrobras serão feitas com parcimônia, e discutidas caso a caso. Não significa, disse a fonte, que os nomes serão indicações políticas. “O objetivo não é agradar, mas apenas evitar maiores desgastes”, disse.

Holding mantém presidente
No caso da holding Eletrobras, o atual presidente, Wilson Ferreira Júnior, foi convidado pelo ministro Bento para permanecer no cargo, para prosseguir com o processo de capitalização da empresa.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.