Conta-Covid dará liquidez ao setor e amortecerá as tarifas ao consumidor, diz Pepitone

Leila Coimbra e Guilherme Mendes, da Agência iNFRA

A Presidência da República assinou, na noite da última segunda-feira (18), o Decreto 10.350, com as diretrizes para a chamada “Conta-Covid”, um empréstimo que deverá dar fluxo de caixa às distribuidoras de energia e, por consequência, a todo o setor elétrico.

Em entrevista à Agência iNFRA, após a publicação do decreto, o diretor-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone, disse que, ao contrário do que foi previsto anteriormente, a Conta-Covid não acarretará em aumentos tarifários no curto prazo.

A operação aliviará nos próximos 12 meses custos que pesariam ao consumidor nas tarifas deste ano, como a conta dolarizada de Itaipu, o aumento da CDE (Conta de Desenvolvimento Energético) e a remuneração de novas linhas de transmissão. Esses itens terão seu peso diluído em 60 meses.

Segundo o diretor-geral da ANEEL, se nada fosse feito, as tarifas teriam aumento médio de 11,51%; mas algumas distribuidoras registrariam 15% de alta, e outras chegariam a 20%, apenas com os itens ordinários que já pesam nas contas. Com a operação de empréstimo, o reajuste pode cair para um dígito.

“O setor elétrico é o primeiro, nesta pandemia, a estruturar operação de mercado para superar a crise sem dinheiro do Tesouro. O empréstimo será destinado a ajudar todo o setor, começando pelos consumidores e beneficiando também os segmentos de geração, transmissão e distribuição, que sentem os efeitos da queda de mercado e do aumento da inadimplência. A operação vai amortecer as tarifas dos consumidores em um momento sensível, diante da perda de renda da população”, disse Pepitone.

O texto do decreto, aguardado com ansiedade pelo setor, determina quais os ativos que serão oferecidos em garantia e como a Conta-Covid será gerenciada.  O artigo 1º define que o recurso, a ser gerido pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), cobrirá déficits ou antecipará receitas total ou parcialmente, em questões como:

Leia também:  "Governo é omisso em relação ao setor elétrico", diz presidente da Abraceel

– Efeitos financeiros de sobrecontratação;
– Saldo em constituição da Conta de Compensação de Variação de Valores de Itens da “Parcela A”, o CVA;
– Neutralidade dos encargos setoriais;
– Postergação, até 30 de junho de 2020, dos resultados dos processos tarifários de distribuidoras de energia elétrica homologados até a mesma data;
– Saldo da CVA reconhecido e diferimentos reconhecidos ou revertidos no último processo tarifário, que não tenham sido totalmente amortizados; e
– Antecipação do ativo regulatório relativo à “Parcela B”, conforme regulação da ANEEL.

A operação, afirmou o Ministério de Minas e Energia, aponta para a resolução de demandas originárias por conta da pandemia. “O MME entende que a publicação do decreto regulamentador à MP 950 e consequentemente a estruturação da operação Conta-Covid encerrarão a primeira fase de enfrentamento dos impactos da pandemia no setor elétrico, atacando principalmente as questões mais urgentes”, afirmou a pasta, em nota na noite desta segunda-feira.

A publicação ocorre após semanas de negociações: “O decreto levou mais de um mês para ser editado, em razão das principais premissas que o Ministério de Minas e Energia, o Ministério da Economia e a ANEEL adotaram para essa regulamentação, quais sejam: evitar a contratação de recursos além dos necessários; e não transferir custos ou ônus da operação a quem não se beneficiar dela”, concluiu a nota do MME.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.