Consultoria afirma que investimentos no Governo Bolsonaro chegam a 1,91% do PIB

Lucas Santin, da Agência iNFRA

A consultoria econômica Pezco elaborou relatório sobre estimando investimentos em infraestrutura no governo de Jair Bolsonaro, mostrando que eles devem sair de 1,76% do PIB (Produto Interno Bruto) este ano para 1,91% no fim do governo do presidente eleito.

No documento, obtido pela Agência iNFRA, os dados apontam que possivelmente 2018 será o ano com o mais baixo investimento desde 2005. A análise enxerga uma evolução se iniciando já neste fim de ano.

“Embora as incertezas das eleições tenham contribuído para o baixo nível [dos investimentos], vemos um caminho de recuperação em curso já no fim de 2018”, diz o texto. Segundo a Pezco, o investimento estimado pelo governo do presidente Bolsonaro para 2019 seria de R$ 180 bilhões e, para 2022 a estimativa ficaria na faixa dos R$ 250 bilhões. A consultoria estima um número 43% mais baixo que esses.

Pelo cenário, somente em 2030 o país alcançaria um percentual de 2,2% do PIB em investimentos, o que ainda será menor que a média mundial, que é de 3%.

Para isso, a Pezco há uma série de ações necessárias para que os investimentos possam crescer. Entre elas, o aumento da isenção da receita tributária nas debêntures incentivadas, tanto para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas; privatização da Companhia Docas; alteração nos leilões de rodovias; maior avanço de leilões de aeroportos e ferrovias.

O texto termina com um questionamento: “É a hora de dizer que é a hora?”, lembrando que o governo eleito ainda terá muitas barreiras para um investimento massivo em infraestrutura.

Visão para o setor de transportes
Em relação às rodovias, a Pezco acredita em novos leilões para manter os investimentos fortes. A empresa acredita que um ponto positivo para o país seja a alteração do modelo de leilão. Para ela, ao invés de realizar o leilão pegando a menor tarifa, deve-se priorizar o maior valor de concessão. Também cita a concessão em blocos.

A estimativa de consultoria é que os investimentos em transporte cheguem a 0,5% do PIB neste ano, o menor patamar desde 2006, e podem subir gradativamente até 0,8% do PIB até 2030.

Ferrovias são apontadas como um plano do governo de Dilma Rousseff que não deu certo. “Mesmo com dúvidas quanto a algumas renovações antecipadas”, o aumento nos investimentos no modal virão tanto pelas concessões já realizadas quanto por projetos greenfield.

Para os aeroportos, a empresa cita uma novidade, que chama de modelo “filé e osso”, que foi adotado para a quinta rodada de leilões. Nesses leilões, o vencedor da concessão de um grande aeroporto também será responsável por um outro, menor e mais fraco economicamente.

O setor portuário é defendido como uma importante parte dos investimentos. Segundo o relatório, ainda há quatro terminais na lista do PPI (Programa de parceria de Investimentos) e que, em breve, deverão ser leiloados. A já citada privatização da Companhia Docas é vista como uma possibilidade para o aumento da competitividade no setor portuário. “Veremos um forte investimento nessa área”, diz o documento.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.