Consórcios contestam disputa pela PMI para a concessão de 13 aeroportos

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

Os dois consórcios que perderam a disputa para a realização das PMI (Proposição de Manifestação de Interesse) dos estudos para concessão dos três blocos de aeroportos que o governo federal pretende conceder entraram, na quinta-feira (5), com recurso contestando a decisão que deu a vitória ao grupo liderado pela empresa Moyses & Pires Advogados Associados.

A alegação dos dois consórcios, um liderado pela BF Capital e outro pela Progen Engenharia, é que o grupo vencedor apresentou estudos incompatíveis com o pedido no edital, com descumprimento de regras e falhas nos levantamentos. Também são apontadas inconsistências na análise feita pela comissão julgadora do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, com discrepância em relação às notas dadas. Ambos pedem a anulação da decisão e que sejam revistos os critérios de pontuação.

O julgamento para escolher o consórcio vencedor consistiu na distribuição de notas a mais de 60 critérios, divididos em quatro grupos: Estudo de Mercado, de Engenharia, Ambiental e Análise Econômica. A primeira avaliação era dada pelo cumprimento da obrigação. A segunda, para a qualidade dos levantamentos em relação a cada um desses pontos. As notas de qualidade eram concedidas para cada um dos 13 aeroportos, o que leva a mais de 700 itens de análise para cada consórcio. Um deles, o da Progen, no entanto, não entregou a documentação para as unidades do Nordeste. A da BF Capital não foi analisada para o Mato Grosso.

Toda a análise da comissão composta por nove integrantes foi realizada em um mês.

As notas finais dadas ao consórcio liderado pela Moyses e Pires (Bacco Arquitetos, CPEA Consultoria, Infraway Engenharia, Proficenter Negócios em Infraestrutura, Terrafirma Consultoria, Geasanevita Enenharia, Daniel Pires Barbosa – ME, Gildzaio Colpo Faturi – ME e Solocap) foram em média cerca de 50% maiores que a dos concorrentes. Mas num dos itens, essa diferença foi ainda maior, a análise de engenharia.

Os consórcios derrotados têm entre os participantes companhias com experiência em realização desse tipo de estudo, inclusive com vitória na modelagem de concessões aeroportuárias anteriores. No entanto, a média das notas dos estudos de engenharia do vencedor é entre 85% e 190% superior à dos consórcios eliminados, que são: BF Capital, Aecom do Brasil, Arap, Nishi & Uyeda Advogados, Urban System e Deux Consultores; e Progen, Logit, JGP Consultoria e Queiroz Maluf Advogados.

No caso do Aeroporto de Cuiabá (MT), por exemplo, a nota média da Moyses foi de 93%, com o máximo sendo de 100%. A da Progen, 51%. Em Vitória (ES), a vencedora chegou a 99,03%, enquanto as notas da segunda e da terceira colocadas foram 49,7% e 34,7%, respectivamente. O relatório da comissão está neste link.

As médias das notas do vencedor também se situam sempre acima de 84%, o que elevou o valor do ressarcimento previsto, caso o leilão seja realizado. Isso porque, pelo critério do edital, quanto mais alta a pontuação, menor o desconto sobre o teto que o governo estipula para o ressarcimento. Juntando os 3 grupos de aeroportos, o ressarcimento seria de R$ 60 milhões. Esse ressarcimento é pago pelo vencedor da licitação, mas colocado como custo dele no leilão.

Diferença
Agência iNFRA conversou com uma fonte envolvida na análise. Segundo a fonte, havia uma diferença na qualidade entre o material da vencedora e a dos outros concorrentes, mas que o recurso das empresas terá que ser analisado com todo o cuidado para que o processo possa ter continuidade.

Um recurso com a forma e o tipo de contestação apresentados, no entanto, tende a deixar o processo mais lento e arriscado, principalmente se considerando que o atual governo tem, em tese, somente até o fim deste ano para realizar a disputa, que ocorrerá num momento delicado por ser período eleitoral e pela alta carga de fiscalização dos órgãos de controle sobre o processo de concessão.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.