Congresso volta com projetos de infraestrutura travados

Bernardo Gonzaga, da Agência iNFRA

Parlamentares tomam posse nesta sexta-feira (1º) e trazem do ano anterior uma agenda de matérias da área de infraestrutura que não tiveram prosseguimento por falta de articulação ou porque se perderam em meio a sessões vazias em tempos de eleições.

Já nas primeiras semanas, as duas Casas se debruçam sobre três MPs (Medidas Provisórias) do setor. Duas delas ainda aguardam a designação de seus membros pelos partidos, a MP 868, que cria o Marco Nacional do Saneamento Básico; e a MP 866 que autoriza a criação da empresa pública NAV Brasil, que incorpora todos os ativos relacionados a navegação aérea hoje concentrados na Infraero.

Já a MP 863, que permite a abertura de 100% das empresas aéreas brasileiras ao capital estrangeiro, terá como presidente da comissão mista o deputado Wellington Roberto (PR-PB) e, como relator, o senador Roberto Rocha (PSDB-MA). Mas algumas mudanças serão feitas pelos partidos no restante do colegiado, já que alguns parlamentares não se reelegeram.

Essa MP já conta com 21 emendas, a maioria delas dispõe sobre a porcentagem do capital com direito a voto. Em suma, a tentativa dessas emendas é de proteger a participação do investidor brasileiro. A MP 863 foi criada no dia seguinte à Avianca entrar com pedido de recuperação judicial.

15 projetos prioritários
No início de 2018, o governo Temer elegeu 15 projetos prioritários para aprovação no legislativo. Na área de infraestrutura, os três que compunham essa lista pouco caminharam nas Casas. Eram eles a nova lei de licitações (PL 1292/95); a nova lei das agências reguladoras (PL 6621/2016); e a privatização da Eletrobras (PL 9463/2018).

A nova lei de licitações enfrentou um lobby muito forte do setor de construção por divergências em vários pontos do texto e, por isso, a votação da medida só foi possível em dezembro, após vários ajustes no texto. Agora, a matéria encontra-se à disposição da próxima presidência da Câmara para pautá-lo.

Leia também:  TCU determina que Dnit divida melhor funções para anteprojetos de Contratação Integrada

Já a nova lei das agências reguladoras, sofreu um desgaste ao ser aprovado um destaque que permitia a indicação de parentes a cargos de diretoria de empresas estatais. Essa parte do texto foi retirada e agora a matéria encontra-se na Comissão de Transparência do Senado e poderá sofrer novas alterações.

O PL de privatização da Eletrobras, também sofreu desgaste ao longo do ano passado e não conseguiu ser votado.

Mais projetos
O marco regulatório do transporte de carga também deve voltar ao debate neste ano. Hoje, ele encontra-se no Senado e tem 91 artigos. O texto estabelece regras de segurança nas estradas, infrações e condições de contratação de transportadores. A medida deve ter uma atenção também do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, já que ele anunciou que quer um diálogo aberto e eficiente com os caminhoneiros para tratar, principalmente, das condições de trabalho e das estradas.

Dentre todos esses projetos, o que enfrentou mais dificuldades ao longo dos anos foi a nova lei de licenciamento ambiental. O projeto que está hoje na Câmara (PL 3729) é de 2004 e, atualmente, tem 20 propostas tramitando em conjunto. A ideia é que as bancadas formadas pelo agronegócio e ambientalistas cheguem a um acordo e formem um só dispositivo para votação.

Já o projeto que legaliza a atividade de lobby, perdeu força no decorrer do ano passado e saiu de pauta. Entre as prioridades anunciadas pelo Planalto, não consta esse projeto, o que deve dificultar ainda mais sua tramitação.

Primeiro passo
O Congresso Nacional terá como primeira função a eleição dos presidentes das duas Casas. Na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), candidato a reeleição, é o favorito, mas enfrenta forte rejeição no segundo turno. Já no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) é o mais cotado, mesmo negando que seja candidato.

Leia também:  Disputa por terminal em SC vai ao Ministério dos Transportes

A escolha dos dois presidentes é importante pois são eles que pautam todas as matérias que vão ao plenário das Casas. São eles também que determinam a abertura de uma nova comissão temática ou de fiscalização, entre outras medidas importantes.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.