Comercializadora pede novo registro para operar, após dar calote no mercado de energia

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

A comercializadora Lumen está pedindo autorização aos órgãos do setor elétrico para atuar no mercado de curto prazo de energia. Seria uma operação normal, caso a Lumen não tivesse dado, há dois meses, um calote milionário em contratos bilaterais com outros agentes, no mesmo mercado livre de energia.

A inadimplência no pagamento por contratos ou na entrega de energia em liquidações na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) gera punições financeiras e processos para o desligamento das empresas, que ficam proibidas de operar.

Sob o nome de Lumen Trading, a antiga Lumen Comercializadora entrou com processo para receber o aval como operadora junto à CCEE e à ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

E quase conseguiu: o processo de registro da empresa estava pautado para ser relatado de forma favorável nesta terça-feira (16), em reunião de diretoria da agência reguladora. Era o item número 20 da pauta, sob os cuidados do diretor Efrain Cruz.

Excluído da pauta
Ao ter conhecimento do caso na última quinta-feira (11), o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, ordenou a retirada de pauta do processo imediatamente. Havia um parecer favorável da própria CCEE para que a comercializadora pudesse operar, dentre os documentos anexados ao processo. Representantes da Lumen não foram encontrados para se manifestar sobre o assunto.

Judicialização 
A Lumen passou por dificuldades financeiras no início do ano, quando outros casos de insolvência ocorreram na CCEE, como o da Vega e o da Linkx. Em fevereiro, de forma inesperada, houve uma explosão dos preços da energia no curto prazo. Quem estava com contratos descobertos não conseguiu honrar a entrega do produto, que ficou muito caro de uma hora para a outra.

Leia também:  Carnaval Provoca Queda de 5% no Consumo de Energia

Os clientes dessas comercializadoras entraram na Justiça para obrigar a câmara de comercialização a registrar seus contratos, mesmo tendo sido fechados de forma bilateral. Ao serem registrados na CCEE, os negócios passam a ser levados em consideração na liquidação financeira do mercado. É uma forma de pressão dos credores junto aos devedores. No momento, Lumen, Vega, Linkx, e 3G estão “sob operação assistida” na CCEE.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.