Cobrança manual de pedágio pode custar até o triplo das eletrônicas, aponta estudo da KPMG

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A cobrança manual nas praças de pedágio de rodovias pode custar até o triplo do preço se comparada aos modelos mais eficientes de cobrança por meios eletrônicos.

É o que aponta estudo da KPMG realizado com 65 operadores de rodovias em todo o mundo, denominado “Oportunidade aberta – Uma referência global da eficiência do operador de pedágio”. O trabalho está disponível neste link.

Fernando Faria, sócio-líder de Infraestrutura da KPMG na América do Sul, afirmou que esta é a segunda edição desse estudo (a primeira é de 2015) e que a tentativa foi encontrar elementos de eficiência no sistema de cobrança.

Segundo Faria, o estudo optou por usar dados de custo de transação de cada um dos sistemas de cobrança, já que outros enfoques poderiam causar distorções relacionadas à fuga de pedágio ou ao nível de movimento das praças, por exemplo.

Na média, as operadoras mais eficientes conseguem operar com custo de US$ 0,24 por cobrança. Já na operação das classificadas como menos eficientes, o valor chega a US$ 0,32 por cobrança. A medida de eficiência vai aumentando na quantidade de automação que é implementada na cobrança, segundo Faria.

Quando os pedágios são cobrados de maneira totalmente eletrônica, inclusive com o uso do free flow, em que o veículo nem chega a reduzir a velocidade, o valor chega a ser em média de US$ 0,18. Já para as cobranças totalmente manuais, esse custo pode chegar a US$ 0,50, segundo o levantamento.

Para Faria, a cobrança manual já começa a demonstrar que é um método obsoleto e poderá encarecer os custos de uma concessão no futuro. Segundo ele, nas mais eficientes, a tendência que se mostrou foi a eliminação de barreiras de cobrança, a interoperabilidade dos sistemas numa região e a ampliação dos meios de pagamento.

Leia também:  iNFRADebate: A eficiência a qualquer custo

O desafio agora, especialmente no Brasil, é como implantar a cobrança de forma eletrônica já que, nas condições atuais das rodovias, elas podem significar altas taxas de evasão e inadimplência.

O sócio da consultoria lembrou ainda que será necessário um maior incentivo a instrumentos que possam fazer o controle dos veículos – como placas eletrônicas, por exemplo – e ampliar os poderes de coerção das concessionárias para que seja possível implementar os pedágios eletrônicos.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.