Chefe da Assessoria Econômica de Minas e Energia é cotada para conselho da CCEE

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

A chefe da assessoria econômica do Ministério de Minas e Energia, Marisete Dadald, está cotada para assumir uma vaga no conselho de administração da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica).

Ela não concorre a uma cadeira cuja indicação é feita pelo ministro da pasta, Moreira Franco, mas sim pelos agentes do mercado. A vaga estará aberta em abril de 2019, com o fim do mandato de Roberto Castro. Ela vem obtendo apoio de grande parte dos agentes, que a consideram com excelência técnica.

Também em abril do próximo ano termina o mandato do atual presidente do conselho do órgão, Rui Altieri, que pode ser reconduzido ao cargo. Neste caso caberá ao novo ministro de Minas e Energia esta recondução, ou a indicação de um outro nome para o comando da CCEE.

Mulheres do MME em alta
Se confirmada a ida de Marisete para conselho da câmara de comercialização, será a segunda mulher que trabalha na área econômica do ministério que segue para um cargo importante em um órgão do setor elétrico. Elisa Bastos Silva, que também trabalha na assessoria econômica do MME, foi indicada para uma vaga na ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) por Moreira Franco no mês passado.

A indicação de Elisa está na Casa Civil, garantiram fontes à Agência iNFRA, e ainda não foi enviada ao Senado Federal porque os parlamentares estão em campanha pelas eleições e não estão agendadas sessões deliberativas tanto na Câmara quanto no Senado antes do primeiro turno, em 7 de outubro.

Moreira Franco
Marisete tem sido o braço direito do ministro de Minas e Energia, que elogia publicamente o seu trabalho à frente da assessoria econômica da pasta. A assessora do MME é contadora, com pós-graduação em ciências contábeis e econômicas. Trabalha no ministério desde 2006 e já foi do conselho fiscal da Petrobras.

Além de Moreira Franco, Marisete também conta com a simpatia e o apoio do atual presidente do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Eduardo Barata, que por sua vez também já comandou a CCEE.

Mobilização feminina
Uma participação maior de mulheres em cargos de liderança no setor elétrico faz parte de uma mobilização feita por duas servidoras do MME na rede social Linkedin.

Agnes Aragão – que trabalha com Marisete e Elisa na assessoria econômica de Minas e Energia –, e Renata Beckert, assessora jurídica da pasta, lançaram uma proposta audaciosa: querem elaborar uma lista de mulheres com perfil e qualificação para ocupar o cargo de ministra de Minas e Energia. Essa lista será levada ao próximo presidente da República.

Também querem uma lista de candidatas para as diretorias de agências reguladoras, conselhos de administração de empresas e órgãos vinculados ao MME, além de secretarias e diretorias do próprio ministério. Acesse aqui a página do projeto de Renata e Agnes no Linkedin.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.