Brasil precisa investir R$ 25 bilhões em portos até 2040, informa estudo da CAF

 

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

O Brasil terá que investir US$ 6,5 bilhões (R$ 25 bilhões) até 2040 se quiser ficar dotado de infraestrutura portuária adequada às mudanças tecnológicas que virão nos próximos anos, e poder concorrer com nossos vizinhos da América Latina.

É o que conclui recente estudo da CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina) Análise de investimentos portuários na América Latina e no Caribe para o horizonte de 2040, que analisou as restrições atuais e as necessidades de aportes de capitais na próximas duas décadas em toda a região, para ampliar a capacidade portuária. Para toda a região, os recursos necessários seriam da ordem de US$ 55 bilhões (R$ 210 bilhões).

Os investimentos no Brasil representam 13% do total previsto para a região, o que é um percentual abaixo de sua participação no setor de contêineres. De acordo com o estudo, com 9,3 milhões de TEUs movimentados, o país tem 20% da carga da América Latina. Não foi medida a participação em outras cargas. México (24%), o Panamá (16%) precisam das maiores aplicações.

Isso se deve ao fato do país ter feito o maior volume investimentos em terminais nas últimas décadas. O trabalho mostra que foram dispendidos recursos de origem privada na ordem de US$ 11,2 bilhões no setor, valor que é superior aos aportes particulares de México, Colômbia, Peru, Chile, Panamá e Argentina juntos.

Com isso, a capacidade dos terminais brasileiros de contêineres, de 16 milhões de TEUs/ano, está acima da demanda prevista e só seria ultrapassada, sem novos investimentos, em 2030. Em 2040, o país necessitaria de ter capacidade para movimentar 24,4 milhões de TEUs/ano e, para isso, teria que fazer os investimentos nos terminais. Seriam necessários US$ 5 bilhões, principalmente nas regiões Sul e Nordeste.

Leia também:  Consultoria afirma que investimentos no Governo Bolsonaro chegam a 1,91% do PIB

O problema do país, de acordo com o estudo, é de outra ordem: a falta de capacidade para a entrada e saída dos navios devido aos calados muitos baixos para os acessos aos principais portos do país. Enquanto nos principais portos da região já é possível receber navios com capacidade de 16 mil TEUs, o máximo no país são navios de 10,5 mil TEUs.

Um gráfico do estudo mostra que essa era a capacidade máxima dos navios na década de 1990. Já há navios em construção com capacidade para 21 mil TEUs. Por isso, o estudo recomenda fortemente que o país terá que fazer investimentos da ordem de US$ 1,5 bilhão no período no Plano Nacional de Dragagem.

Graneleiros
O trabalho também faz um levantamento sobre a capacidade dos graneleiros, essa mais preocupante. De acordo com o estudo, a oferta atual de 195 milhões de toneladas para movimentação de granéis agrícolas já será insuficiente em 2020. Para 2040, o país deverá ter uma capacidade de movimentação de 450 milhões de toneladas, para uma projeção de crescimento de demanda de 4,6% ao ano.

Segundo o trabalho, os projetos identificados não dão conta da demanda no longo prazo e também há preocupação com os problemas atuais de acesso que prejudicam o setor.

O levantamento será apresentado na segunda-feira (16), na Conferência CAF: Infraestrutura para a Integração da América Latina, que será realizada Madri, Espanha, com a presença de ministros de estado dos países membros do banco.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.