Bolsonaro diz que veta modelo de novos pedágios na Dutra e pega de surpresa ANTT

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

O presidente Jair Bolsonaro publicou em sua conta no Twitter que não vai permitir a cobrança de pedágio nas cidades de Barra Mansa (RJ) e Guarulhos (SP), hoje cortadas pela concessão da Rodovia Presidente Dutra.

As cobranças estavam previstas na proposta levada à audiência pública no fim do ano passado pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). Em Barra Mansa, haveria uma nova praça de pedágio.

Já em Guarulhos, o governo pretendia experimentar a primeira cobrança federal do modelo free flow, em que o usuário paga por quilometragem utilizada da rodovia.

As três sessões presenciais da audiência pública mostraram forte oposição a vários temas propostos pelo governo na nova concessão da rodovia, que pretende incluir um trecho da BR-101 entre São Paulo e Rio de Janeiro.

No caso do free flow, a reclamação era que a cobrança deveria ser em toda a via, e não apenas na região metropolitana de São Paulo. Há ainda forte oposição ao modelo de juntar as duas concessões e também o de cobrar outorga para definir o vencedor da disputa.

Interferência

A publicação do presidente foi considerada mais uma interferência dele no trabalho das agências reguladoras. Bolsonaro já havia anunciado contrariedade pública em relação a posicionamentos defendidos por duas agências, a Ancine (Agência Nacional do Cinema) e a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Após a publicação de Bolsonaro, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, entrou na rede social sem contestar o presidente. Em sua postagem, Freitas disse que a audiência está em andamento. “Seguimos firmes a orientação do presidente @JairBolsonaro: foco no cidadão. Modelo inicial apresentado em audiência pública já consolidando contribuições da sociedade”, postou.

Leia também:  Governo federal põe em audiência pública proposta para sua 1ª concessão rodoviária com outorga

O ministério informou que já havia um direcionamento para alterar esses dois pontos do projeto após as críticas da audiência pública. Mas na ANTT, a responsável pela análise das contribuições, a publicação de Bolsonaro pegou a equipe de surpresa. Não havia qualquer informação sobre esse tipo de mudança.

A agência ainda está no processo de audiência pública. Após prometer realizar mais sessões presenciais, a diretoria deve aprovar na próxima semana a autorização para realizar mais duas ou três sessões no interior dos estados do Rio de Janeiro e em São Paulo.

O fato é que há muitas dúvidas entre os técnicos sobre a qualidade e a solidez do projeto apresentado para essa concessão, que é a do trecho rodoviário mais importante do país. O contrato com a atual concessionária, a CCR, vence em fevereiro de 2021.

Fim de contrato tumultuado

Se não houver um novo concessionário até lá, o governo vai ter que operar a via ou dar mais prazo para a empresa operar. Na última vez que isso ocorreu, o processo foi tumultuado. A ANTT não conseguiu assinar um contrato novo antes do encerramento com a concessionaria da BR-116/RS, a Triunfo. A concessionária topou se manter na operação da via por um pedágio maior.

Mas, durante a execução desse aditivo, o TCU (Tribunal de Contas da União) apontou que o valor deveria ser ainda mais baixo e a concessionária pediu o encerramento do contrato. Durante quase um ano a via foi operada pelo DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), sem pedágio, mas com piora na qualidade da via e da operação.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.