Associações saem satisfeitas de encontro com ministro de Minas e Energia


Leila Coimbra, da Agência iNFRA

No cargo há três semanas, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, recebeu na quarta (23) os presidentes de mais de 20 associações representativas do setor elétrico de uma só vez. O resultado foi satisfatório: executivos que estiveram na reunião disseram à Agência iNFRA que gostaram do que ouviram do novo ministro.

O encontro durou pouco mais de duas horas. Estava marcado para as 16h, mas acabou atrasando cerca de 40 minutos, porque Bento foi convocado às pressas para ir antes ao Palácio do Planalto, na apresentação da agenda dos 100 primeiros dias de governo, feita pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Terminou às 18h45 o encontro com o setor, no MME (Ministério de Minas e Energia).

Pauta coerente com os anseios
As medidas apresentadas como prioritárias por Bento Albuquerque para o setor agradaram: 1) resolver estruturalmente o problema do risco hidrológico (GSF); 2) a renegociação do contrato de energia de Itaipu, que reflete em todo o planejamento energético dos próximos anos (Anexo C); 3) a conclusão de Angra 3; 4) modernização do setor elétrico (a partir da CP 33, que servirá de base); 5) reavaliação dos subsídios.

“A reunião me pareceu bem objetiva. Dois pontos chamaram atenção: a disponibilidade para o diálogo e as prioridades muito bem definidas e com datas para realização. Se o foco for a solução do todo, e não das partes, tudo indica que estaremos em um ótimo caminho”, afirmou Edvaldo Santana, presidente da Abrace (Associação dos Grandes Consumidores Industriais e Consumidores Livres de Energia), que está de saída do cargo para assumir funções executivas no grupo Electra.

Paulo Pedrosa, ex-secretário-executivo de Minas e Energia, que substituirá Santana na Abrace a partir de 1º de fevereiro, também foi ao encontro ontem no MME, mas não falou.

Leia também:  Câmara pauta projeto que mantém subsídios à luz e ignora risco hidrológico

Para Elbia Gannoum, presidente da Abeeólica (Associação Brasileira de Energia Eólica), a pauta apresentada pelo MME foi montada com base nos anseios do setor, e por isso agradou.

“Saímos muito satisfeitos da reunião com o ministro, que apresentou sua competente equipe e abriu um diálogo com o setor. A agenda de trabalho apresentada tocou nos principais pontos como o GSF, e a modernização do setor, por exemplo. O ministro falou também da abertura do mercado, e disse que em breve deve publicar uma agenda de leilões, o que é essencial para dar previsibilidade ao investidor”, disse Elbia.

“Mais mercado e menos setor”
Reginaldo Medeiros, presidente da Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia Elétrica) disse que o ministro superou as expectativas.

“A pauta do MME está em perfeita sintonia com o mercado, do qual sou o porta-voz. O ministro superou em muito as expectativas, pelo apreço ao diálogo, compreensão holística do desafio que tem pela frente, e visão prática de solução de problemas complexos. Foi aplaudido efusivamente. Mais mercado e menos setor. Parece que o governo finalmente vai sair do cangote do consumidor. O Brasil vai agradecer.”

Além dos presidentes das associações, e da equipe de Minas e Energia, com os ministros e secretários, participaram da reunião o diretor-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone; o presidente do Conselho de Administração da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), Rui Altieri; e o diretor-geral do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), Luiz Eduardo Barata.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.