Associação de usuários de portos diz que atos do TCU e da ANTAQ garantem caráter ressarcitório do THC

da Agência iNFRA

 Pelo menos duas decisões do plenário do TCU (Tribunal de Contas da União) e duas normas da ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) garantem que o THC (Terminal Handling Charge) tem caráter ressarcitório e deve ser cobrado dos usuários em valor igual ao pago pelos armadores aos terminais portuários.

É o que defende a Usuport-RJ (Associação dos Usuários de Portos do Rio de Janeiro), entidade que desde 2014 vem provocando a discussão sobre o tema, em crítica à posição do Centronave, associação que representa os armadores, apresentada em reportagem da Agência iNFRA sobre o tema.

No texto, o Centronave – que contesta as decisões do TCU – alega que o THC pode ser cobrado a mais dos usuários porque o caráter ressarcitório não garante valores iguais. Para isso, deveria ser usada a palavra reembolso.

“O TCU, em duas decisões plenárias, assim entendeu, e a Antaq optou por acatar a decisão da corte e não recorrer”, informa o texto enviado à Agência iNFRA, apontando que as normas são claras quanto aos valores iguais.

Ainda segundo o documento, há mais de cinco anos as autoridades estão cientes de que a cobrança de valores diferentes pode ser considerada um serviço para o qual não estava sendo recolhido o imposto e tanto as receitas municipais como os clientes podem pedir o ressarcimento. O texto completo está neste link.

Leia também:  Emendas individuais não têm critério de pagamento, e obras com essa verba demoram 8 anos, aponta TCU

Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.