ANTT tem pelo menos 4 documentos contrários à imposição da tabela de frete rodoviário

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) tem pelo menos quatro pareceres em que aponta inconstitucionalidade para a criação de uma tabela de frete rodoviário mínimo. Os documentos, obtidos pela Agência iNFRA, foram elaborados em 2015 para subsidiar a diretoria da agência e o governo a se posicionarem em relação a projetos de lei apresentados no Congresso Nacional para impor a tabela, também após um movimento grevista de caminhoneiros.

Num parecer de março de 2015, o especialista em regulação Thiago Martorelly Quirino de Aragão aponta que o PL 528/2015, do deputado Assis do Couto (PT-PB) e no qual se baseou a MP 832/2018, é inconstitucional por descumprir os princípios da livre concorrência. Além disso, o documento aponta que a agência nem teria poder legal para fazer uma interferência desse nível no mercado de frete, visto que ele tem preços livres e não regulados – como os de uma concessão pública, em que a agência pode estabelecer preços.

Além disso, o parecer aponta ainda para a dificuldade operacional de se fazer uma tabela desse tipo. “O processo de formação de preços de frete depende de inúmeros insumos que possuem custo variado no país de dimensões continentais e variam de acordo com diversos fatores, tais como trajeto escolhido e modelo de caminhão”, diz o texto, que baseou outros dois documentos para responder a pedidos de análise de outros projetos de lei no Congresso versando sobre o mesmo tema.

Citando jurisprudências do ministros do STF Luiz Roberto Barroso e Eros Graus, o especialista aponta cinco problemas principais, incluído aí o preço do diesel, e que para fazer tal tabela deveria ser feita uma ampliação do quadro de pessoal da agência reguladora, além de novos sistemas de informática etc. Nada disso aconteceu, no entanto, até a publicação da MP 832, em maio.

Leia também:  ANTT prepara mudanças em edital da Norte-Sul para se adaptar a pedidos do TCU

No documento que a Agência Reguladora apresentou para produzir a tabela, cumprindo o prazo de 5 dias dado pela MP para tal, a área técnica afirmou que procedimento de elaboração de tabela de frete era de “altíssima complexidade”.

O documento afirma ainda que foi necessário fazer “simplificações metodológicas” para elaborar no prazo de cinco dias e que “não foi possível considerar todas as particularidades” dos mercados estudados, utilizando a metodologia da Resolução 4.810/2015, que havia sido debatida no Fórum Permanente de Transporte Rodoviário de Carga.

Essa tabela foi a que posteriormente foi contestada pelas empresas e o governo prometeu uma revisão, que acabou durando menos de dois dias. A tabela em vigor é, portanto, a que foi feita com “simplificações metodológicas”.

Mercado ilegal
Em outro documento, de abril de 2015, que é assinado por Aragão e pelo então superintendente da área de Transportes Rodoviários, Marcelo Vinaud, hoje um dos quatro diretores da agência e responsável pelo processo da tabela, aponta seis riscos para a imposição de uma tabela para o setor.

Entre eles está o risco de o mercado ficar ainda mais desequilibrado do que já está, além do ato poder incentivar um mercado ilegal no setor, que não teria como ser coibido pelo governo devido à falta de estrutura para a fiscalização.

CNI e CNA
Na quinta-feira (14), a CNI (Confederação Nacional da Indústria) também entrou com ação no STF contestando a constitucionalidade da tabela de frete rodoviário mínimo. A ação deverá ser distribuída para o ministro Luiz Fux, que já analisa o caso da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), apresentado no início desta semana.

Fux deu prazo de 2 dias para governo se manifestar. Por isso, a pressão política para que os técnicos façam pareceres defendendo a MP 832 e sua tabela de frete tem sido grande. As diretorias anteriores da ANTT sempre se negaram a fazer a tal tabela, mesmo em momentos de maior pressão, apresentando ao governo o problema da inconstitucionalidade da norma.

Leia também:  Audiência de renovação das ferrovias da Vale começa em agosto, com tendência de conflito

Suspensão das ações
Também na quinta-feira (14), a ministra da AGU (Advocacia-Geral da União), Grace Mendonça, obteve decisão do ministro Luiz Fux, que cuida da ADI 5956, suspendendo todas as ações em tramitação no país sobre a tabela de frete.

Segundo a ministra, a medida é necessária no caso da política de fretes porque “a estabilidade dos efeitos jurídicos” da medida provisória é uma “relevante questão de ordem pública”, tendo em vista que a norma foi uma das iniciativas adotadas para atender reivindicação dos caminhoneiros e colocar fim a paralisação que comprometeu a oferta de serviços públicos essenciais e causou graves prejuízos à sociedade brasileira.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.