ANTT segura pedido de postergação de obrigações de concessionárias de rodovias na emergência

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

Pressionadas para não fazer a cobrança de pedágios, as concessionárias de rodovias federais estão sob uma outra pressão, dessa vez vinda do próprio poder concedente: ter que cumprir todas as obrigações de contrato mesmo durante o período emergencial da pandemia.

As empresas pediram formalmente à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) um documento isentando-as de cumprimento de parte de suas obrigações no período, entre elas algumas referentes a entrega de obras por exemplo.

Pedidos desse tipo foram feitos por diferentes setores que têm contratos de parceria com o poder público. Na última sexta-feira (27), a ANTT soltou a Resolução 5.878, na qual flexibilizou “prazos para cumprimento de obrigações contratuais e regulatórias” para os serviços de transporte ferroviário de cargas e do transporte rodoviário de cargas e de passageiros.

No caso das concessionárias de ferrovias, foi dada isenção para que elas enviem algumas comunicações e documentos até 31 de julho, entre eles a Declaração de Rede e comprovantes de regularidade fiscal. No caso do transporte de carga e passageiros, foram flexibilizados prazos por 120 dias.

As concessionárias de rodovias ficaram de fora da portaria, o que trouxe preocupação ao setor. Houve cobrança das concessionárias à direção da agência sobre o motivo de terem ficado de fora, o que poderá agravar ainda mais a situação dessas empresas, algumas em dificuldades financeiras.

A agência respondeu que, no caso das concessionárias de rodovias, eram necessárias análises mais bem fundamentadas para apresentar uma resolução que garanta o serviço prestado pelas concessionárias. Mas não foi dado prazo para que a resolução seja publicada. Uma minuta de resolução chegou a ser levada à diretoria, mas acabou não aceita.

Leia também:  A relicitação do Aeroporto de Viracopos e o Poder Judiciário

Movimento
Na semana passada, a NTC&Logística, associação que reúne empresas transportadoras do país, informou que levantamento telefônico realizado junto a empresas do setor mostrou a percepção de queda de 26% no volume de transporte de cargas em relação a antes da crise.

Por outro lado, o Pátio de Triagem do Porto de Paranaguá (PR) teve recorde de movimentação de caminhões. Em 24 horas foram recebidos 2.448 caminhoneiros. Aumento de 20% no fluxo registrado normalmente, de 2 mil veículos/dia. Contudo, ainda não há medições das empresas sobre essa queda nos pedágios, o que deve estar pronto em 10 de abril.

Pressão pela suspensão de pedágio
Em vários lugares do país, há pressões para que as rodovias concessionadas abram o pedágio. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, vem defendendo que não sejam feitas mudanças. Recentemente, a CNT (Confederação Nacional do Transporte) e a Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base) defenderam publicamente a manutenção dos pedágios.

Em nota, disponível neste link, a Abdib defende ainda linhas de financiamento específicas, flexibilização de obrigações contratuais e postergação do pagamento de impostos do setor para que as empresas possam suportar o período da crise.

Em nota recente sobre a pandemia, a ABCR (Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias) informou que equipes de atendimento médico e mecânico estão atuando em todas as rodovias, assegurando “condições básicas de segurança para o uso das estradas e para fluidez do tráfego”.

Lembrou que, no ano de 2018, as concessionárias realizaram 175 mil socorros simples e 77 mil socorros com resgate de ambulância, resultando em 316 atendimentos médicos e mecânicos por hora; e que foram repassados R$ 1 bilhão em ISS aos municípios referentes aos serviços prestados.

Leia também:  Governo e técnicos do TCU divergem sobre como fazer inventário da renovação da Malha Paulista

Documentos da Malha Paulista
A ANTT publicou na noite de sexta-feira (27) documentos da Renovação Antecipada da Malha Paulista de Ferrovias, da Rumo. A agência informou que atende à recomendação do TCU (Tribunal de Contas da União) sobre o tema, que pediu a publicação em 120 após o acórdão que aprovou os estudos de viabilidade da renovação.

De acordo com a agência, os documentos disponibilizados são o Plano de Investimentos, o Plano de Recuperação de Trechos e as Especificações Técnicas Mínimas. Os documentos estão disponíveis neste link.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.