ANTT impõe aditivo a contratos da Rumo, VLI e Vale para garantir concessão da FNS

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) aprovou, nesta terça-feira (2), aditivos em cinco contratos de concessão de ferrovias para garantir preços teto e quantidades mínimas de trens do concessionário que vencer a licitação do tramo central da Ferrovia Norte-Sul, cujo edital deve ser publicado ainda este mês.

Os aditivos estavam previstos desde o início da modelagem da concessão e se transformaram numa das exigências do TCU (Tribunal de Contas da União) para liberar os estudos de viabilidade para a concorrência.

No entanto, três empresas não concordaram com os termos propostos pela ANTT e os diretores decidiram impor o aditivo unilateralmente. São elas a Rumo, que controla a Malha Paulista, a VLI, que controla o tramo Norte da Norte-Sul, e a Vale, que controla a Estrada de Ferro de Carajás.

As outras duas companhias, a MRS, que tem um trecho até o Porto de Santos (SP), e a Transnordestina, que tem também um pequeno acesso até o porto de Itaqui (MA), concordaram com os termos cujos extratos estão publicados no Diário Oficial de hoje.

Basicamente, a agência decidiu fazer um aditivo que garanta um preço teto que as concessionárias podem cobrar dos trens da vencedora da concessão da FNS e uma quantidade mínima de trens que elas terão direito a operar, nos termos do que foi acordado com o TCU na análise dos estudos de viabildade. O prazo do aditivo seria de cinco anos e, depois disso, a tentativa é que as empresas possam ter uma livre negociação.

Após a conclusão dos aditivos, o governo fica mais próximo de conseguir cumprir a meta de fazer o leilão. Mas ainda há dúvidas entre agentes governamentais consultados pela Agência iNFRA se, de fato, haverá vontade da atual gestão e se será possível vencer a provável oposição jurídica contra a realização do pleito em fim de governo.

Leia também:  Governo, empresas e TCU vão debater aumento do custo do asfalto

Antecipação da concorrência
A negativa da Rumo e da Vale em aderir ao aditivo foi interpretada por agentes do governo como uma prévia da disputa pela ferrovia. Rumo e VLI são consideradas as possíveis únicas concorrentes dessa concessão. A VLI tem entre seus acionistas a Vale.

A não aceitação dos novos aditivos deixaria as duas empresas com uma carta na manga para acionar posteriormente, inclusive com ações na Justiça, principalmente se a prorrogação de seus atuais contratos, que estão em análise pela ANTT não seguirem.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.