Anac aprova mudanças na alocação de slots para frequências internacionais

Lucas Santin, da Agência iNFRA

A diretoria da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) acatou, em reunião do colegiado nesta terça-feira (4), a proposta de resolução sobre os requisitos e procedimentos para empresas aéreas utilizarem frequências internacionais. O objetivo da resolução é simplificar os procedimentos de alocação de frequências internacionais e aperfeiçoar os critérios de seleção nos casos em que a capacidade de disponível for inferior à demanda das empresas.

Segundo a diretoria, a tendência é que o tempo de tramitação dos pedidos de alocação de frequências seja reduzido, bem como sejam eliminadas etapas desnecessárias para que empresas possam realizar operações regulares internacionais. A agência recebeu 16 contribuições a respeito da resolução: três da Gol Linhas Aéreas, seis da TAM Linhas Aéreas e sete do operador do aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro. Quatro delas foram aceitas.

Entre as mudanças no modelo de utilização de frequências internacionais, a ANAC decidiu pela eliminação da necessidade de alocação de frequências para mercados cujo entendimento em vigor preveja regime de livre determinação de capacidades. Outra alteração foi a simplificação dos procedimentos de consulta às empresas concorrentes em um mesmo mercado.

Os critérios de alocação quando a quantidade de frequências solicitadas é maior que a capacidade disponível também foram alterados. A quarta mudança é nos critérios de utilização e perda de frequências alocadas.

Recursos
A diretoria da ANAC também rejeitou o recurso administrativo da concessionária do aeroporto de Brasília, a Inframérica. A empresa entrou recorreu após a agência não aceitar a revisão dos custos adicionais pela contratação de APACs (Agentes de Proteção de Aviação Civil).

O relator do processo, Juliano Noman, e as áreas técnicas envolvidas no caso entenderam que a concessionária não conseguiu justificar a contratação de mais funcionários. O diretor Hélio Paes, após o voto do relator, afirmou não se trata de custos adicionais, mas de uma medida que faz parte da gestão dos aeroportos.

“Isso não pode ficar atrelado diretamente ao contrato. É variável de acordo com a situação”, declarou.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.