Amazonas Energia precisa fechar acordo de R$ 20 bi com a Petrobras antes de leilão

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

A Amazonas Energia, distribuidora da Eletrobras que deve ir a leilão de privatização no dia 21 de maio com mais cinco empresas, precisa chegar a um acordo esta semana sobre um débito de R$ 20 bilhões com a Petrobras. É um pré-requisito para que a empresa consiga concluir o processo de desverticalização e seja privatizada.

Segundo o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, o prazo para que Eletrobras e Petrobras cheguem a um acordo é não pode ser prorrogado. “Nós tínhamos fixado esse prazo para ser algumas semanas antes do leilão. Em princípio não [pode ser prorrogado]”, disse Ferreira Júnior, em entrevista recente à Agência iNFRA.

O problema é que a Petrobras tem feito exigências muito duras e quer o vencimento antecipado dos débitos no caso de qualquer nova inadimplência da elétrica para a dívida de R$ 10,9 bilhões que já foi reconhecida. Para outros R$ 7,3 bilhões em débitos ainda em aberto, a Petrobras quer a celebração de um novo contrato de confissão de dívidas, também com cláusula de vencimento antecipado e com previsão de parcelamento em 36 meses, “com taxa de mercado”.

Além disso, a Petrobras quer avaliar junto à Eletrobras a instauração de um processo arbitral na câmara da AGU (Advocacia-Geral da União) sobre R$ 2,8 bilhões de reais em cobranças que a elétrica não reconhece como débitos.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.