Acordão no Congresso ressuscita possibilidade de aprovação do GSF

Leila Coimbra, da Agência iNFRA

Na política brasileira, o ditado é: nunca diga nunca. Nesta quarta-feira (31), pela terceira vez neste ano, o GSF (sigla para o risco hidrológico), uma espécie de zumbi, ressuscitou dos mortos em pleno Halloween, e parece caminhar para uma inacreditável solução no Congresso. Emendas legislativas sobre o GSF já foram anexadas em três matérias diferentes em 2018.

A reviravolta aconteceu ontem (31), depois de uma reunião entre parlamentares e a diretoria da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), a pedido dos agentes da área elétrica.

Segundo o senador Eduardo Braga (MDB-AM), um pacto entre todos os líderes dos partidos na Casa foi firmado: “Até ontem à noite (dia 30), não havia acordo e ia prevalecer apenas a regulamentação pela ANEEL, e sem projeto de lei. Mas hoje pela manhã (31), construiu-se um acordo amplo, que passa pela questão da Cemig, do GSF, da infraestrutura do gás e também a Cessão Onerosa, uma série de coisas negociadas com todos os líderes. Neste caso, não posso eu dizer que não”, afirmou o senador à Agência iNFRA.

Emendas na CI
Feita a combinação, foi levado um substitutivo ao PLS (projeto de lei no Senado) 209/15, relatado por Fernando Bezerra (MDB-PE) à votação na CI (Comissão de Infraestrutura), no início da tarde de ontem (31). Três emendas foram acatadas por Bezerra – que é o atual líder do governo, em substituição a Romero Jucá (MDB-RR): 1) a que trata do GSF (do senador Wilder Morais); 2) sobre a Cemig (do senador Valdir Raupp) e 3) um fundo para a construção de gasodutos, o antigo Dutogás (de Otto Alencar).

Imbróglio regimental
Na Comissão de Infraestrutura houve dúvida sobre a viabilidade regimental de se aprovar um tema que já tramitou na Casa neste ano, e foi rejeitado pelo plenário. O GSF fazia parte do PLC (projeto de lei da Câmara) 77/18, que tratava de medidas para viabilizar a venda das distribuidoras da Eletrobras. Foi incluído no texto como emenda. Antes disso, a mesma emenda foi anexada à MP (medida provisória) 814, que caducou. Mas, como um morto-vivo, o GSF levantou-se mais uma vez do reino das sombras ontem.

Por fim, decidiu-se que o substitutivo ao PLS 209/15 poderia ser aprovado na CI se fosse retirado o caráter terminativo do projeto (que dispensa a ida do tema ao plenário). Isso porque, em termos regimentais, o plenário do Senado é soberano, e neste caso, poderia decidir a favor ou contra a matéria, mesmo sendo um tema já rejeitado pela Casa.

O substitutivo foi então aprovado por unanimidade pelos 11 senadores presentes, mais o presidente da comissão, o senador Eduardo Braga, que não votou, mas compôs o quórum mínimo de 12 presenças.

Plenário vota na próxima terça
Depois do aval da CI, o PLS 209/15 foi encaminhado ontem mesmo ao plenário do Senado, onde seria votada a sua urgência. Mas o líder do PT, Lindbergh Faria (RJ), pediu para que o projeto fosse apreciado somente na próxima terça-feira, porque queria mais tempo para avaliar a emenda que prevê recursos do pré-sal para a construção de gasodutos (pela lei atual, esse dinheiro destina-se à educação). O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), então agendou a apreciação do projeto para a terça-feira que vem, e encerrou a sessão.

Agilidade também na Câmara
O acordo costurado pelas lideranças prevê ainda que o projeto, assim que for aprovado pelo Senado, tramite com celeridade na Câmara dos Deputados, podendo virar lei ainda em 2018.

Os bastidores da negociação
O senador Eduardo Braga insistia, antes da celebração do acordo, que o GSF deveria ser resolvido apenas via regulamentação da ANEEL, via infralegal, sem a necessidade de tramitação de matéria com o tema no Legislativo.

Para Braga, a Medida Provisória 688 (convertida na Lei 13.203/15), que tratou de uma alternativa para o GSF no ambiente regulado, prevê os instrumentos legais necessários para resolver também o mercado livre: “O GSF é um só, mas naquela altura a diretoria da ANEEL resolveu regulamentar só o mercado regulado, e excluiu o mercado livre”, disse o senador. “Já está resolvido do ponto de vista legal, o que precisa é resolver do ponto de vista regulatório, ou seja, a ANEEL regulamentar essa matéria”, insistia.

O mercado chiou
Mas os agentes que possuem débitos do GSF argumentaram que a Lei 13.203 resolvia até o ano 2015, quando foi publicada. O período entre 2015 e 2018 estava descoberto do ponto de vista legal, na visão do setor, e que seria necessária uma nova Lei que essencialmente trate da prorrogação das concessões como forma de compensação, disseram.

Para assegurar um acordo, os diretores da ANEEL Rodrigo Limp e Efrain Pereira fizeram uma espécie de plantão no Senado. O diretor-geral da agência reguladora, André Pepitone, não foi porque estava em compromissos externos em São Paulo. O acordo foi então selado.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.