ABTP apoia governo em melhoria da gestão das Docas e pede convergência regulatória

Dimmi Amora, da Agência iNFRA

Em encontro realizado no dia 1º de abril com representantes da Secretaria Nacional de Portos, a ABTP (Associação Brasileira de Terminais Portuários) pediu ao governo para que trabalhe nos próximos anos na convergência regulatória entre os terminais portuários públicos e privados, como forma de garantir maior competitividade ao setor portuário e mais investimentos.

A ABTP é a associação do setor com o maior número de empresas, representando mais de 100 terminais no país, e cujas afiliadas têm terminais de vários tipos, privados, públicos, retroalfandegados, entre outros. Jesualdo da Silva, seu novo presidente, afirmou que o contato com os representantes foi “altamente positivo”, com total convergência de diretrizes da associação no processo de melhoria da gestão das Companhias Docas com as quais o governo já começou a trabalhar, por exemplo.

“Estamos alinhados com as decisões que o governo está tomando no sentido de desestatizar, seja como for a forma. Entendemos que o que aplicar a cada caso depende de estudos específicos para cada caso”, disse Silva.

Segundo ele, há apoio do setor sobre o processo que já se inicia de concessão dos serviços pela Codesp, a estatal responsável pelo porto de Santos (SP), por exemplo. A diretoria da estatal anunciou que vai fazer a concessão do Canal de Acesso Portuário e das Vias de Acesso, por exemplo.

Além da melhoria das Docas, a associação quer trabalhar na convergência entre o sistema regulatório dos portos públicos e privados. Jesualdo da Silva diz que os terminais públicos querem reforçar o caráter de desempenho de uma atividade econômica e não de um serviço público. A diferença entre um e outro é o tipo de regulação, mais forte nas atividades de serviço público, como por exemplo concessões de rodovias e ferrovias.

Leia também:  Aeroportos já começam a receber carnê do IPTU

“Nós não temos tarifas. Nossos preços são regulados pelo mercado, em concorrência entre os terminais de um porto e entre os portos. Os preços são imprevisíveis”, destacou o presidente da associação.

Permissão para investimentos 
Uma das desregulamentações com as quais os terminais querem trabalhar é em torno das permissões para investimentos. O presidente da ABTP lembra que o processo da agência reguladora para autorizar um investimento pode fazer com que, ao fim da análise, muitas vezes a empresa pode perder o timing de um negócio. Segundo ele, os investimentos devem ficar como risco do negócio nas concessões.

Por enquanto, o governo ainda trata os investimentos de maneira a equilibrar os contratos de concessão. Na reunião, o secretário de Portos informou que neste semestre o governo vai publicar a portaria única em que unifica as regras de investimentos previstas no Decreto de Portos e regulamentadas em três diferentes portarias (349, 499 e 050). Segundo ele, as normas estão sendo adaptadas à decisão do TCU sobre o tema no ano passado.

Além da convergência regulatória, a associação ainda vai trabalhar em conjunto com outras entidades – numa nova coalizão do setor – para melhorar a produtividade dos terminais, mais especificamente no tema trabalhista. Jesualdo afirma que as regras atuais para contratação de mão de obra dos terminais públicos têm reduzido a produtividade e que serão necessárias mudanças para que os terminais tenham a eficiência adequada.

Segundo ele, nesse caso, também será necessária atuação no Congresso Nacional já que parte do sistema de trabalho dos trabalhadores portuários está regulada por lei.


Informações deste texto foram publicadas antes pelo Serviço de Notícias da Agência iNFRA. Esse produto diário é exclusivo para assinantes.

Para ficar bem informado, sabendo antes as principais notícias do mercado de infraestrutura, peça para experimentar os serviços exclusivos para assinantes da Agência iNFRA, enviando uma mensagem para nossa equipe.